segunda-feira, 14 de abril de 2014

Saúde Mitocondrial: Mais Músculos, Menos Doenças e Longevidade Garantida (Parte-1).


Saúde Mitocondrial: Mais Músculos, Menos Doenças e Longevidade Garantida (Parte-1).


- Berneburg, M, et al, "Creatine supplementation normalizes mutagenesis of mitochondrial DNA as well as functional consequences," J Invest Dermal, 2005 Aug:125(2):213-20.

- Faloon, William, "Our Aging Mitochondria," Life Extension, February 2011, pp. 7-13.

- Chilibeck, PD, "The effect of strength training on estimates of mitochondrial density and distribution throughout muscle fibres," Eur J Appl Physiol Occup Physiol, 1999 Nov-Dec;80(6):604-9.

- Lane, Nick, "Power, Sex, and Suicide – Mitochondria and the Meaning of Life," Oxford University Press, New York, 2005.

- Tesch PA, "Skeletal muscle adaptations consequent to long-term heavy resistance exercise," Medicine and Science in Sports and Exercise [1988, 20(5 Suppl):S132-4].


Texto editado por TC Luoma

Traduzido pelo Nutricionista Reinaldo José Ferreira CRN3 6141
reinaldonutri@gmail.com
www.suplementacaoesaude.blogspot.com.br


O que precisamos saber sobre as Mitocôndrias ?

• Aumentar o número de mitocôndrias nas células musculares, melhora muito a força e resistência muscular.
• Se você mantiver sua saúde mitocondrial, você pode potencialmente controlar doenças metabólicas, juntamente com as doenças cardíacas, a mortalidade por câncer de próstata, diabetes, e centenas de outras doenças.
• Se você aumentar a densidade mitocondrial, você pode potencialmente prolongar sua vida e aumentar suas chances de nunca visitar um hospital.
• Você pode facilmente melhorar a saúde e a densidade mitocondrial através de exercícios e da manipulação dietética.


 Mitocôndrias e Cargas Elétricas:

Cada milissegundo, centenas de milhares de minúsculos constituintes celulares chamadas mitocôndrias estão bombeando prótons através da membrana para gerar cargas elétricas que são equivalentes à energia ao longo de alguns nanômetros, de um raio de iluminação.
E quando você considera a energia no geral, o seu corpo, grama por grama, está gerando 10 mil vezes mais energia do que o Sol, mesmo quando você está sentado confortavelmente.
Há uma média de 300 a 400 delas em cada célula, muitas vezes ignoradas na produção de energia; cerca de 10 milhões ou mais em seu corpo. Se você fosse de alguma forma, acumulando e colocando em uma escala, essas mitocôndrias constituiriam cerca de 10% do seu peso corporal.
É ainda mais notável quando se considera que elas têm seu próprio DNA e se reproduzem de forma independente. Isso mesmo, elas não são mesmo parte de você. Elas são, na verdade, formas de vida alienígenas, bactérias de vida livre que se adaptaram à vida no interior de células maiores, cerca de dois bilhões de anos atrás.

Mas elas não são parasitas, por qualquer meio. Biologicamente falando, elas são simbiontes, e na sua ausência, você mal poderia mover um músculo ou submeter-se a qualquer uma das milhares de funções biológicas.
Em um sentido amplo, as mitocôndrias têm moldado a existência humana. Não só elas desempenham um papel enorme na produção de energia, sexo e fertilidade, mas também no envelhecimento e morte.
Se você pudesse de alguma forma influenciá-los, você poderia, teoricamente, dobrar seu tempo de vida sem nenhuma das doenças normalmente associadas à velhice. Você poderia evitar doenças metabólicas como a síndrome X que aflige cerca de 47 milhões de americanos e, simultaneamente, manter a energia da juventude.

Do ponto de vista atlético, o controle da vitalidade e do número de mitocôndrias nas células musculares pode levar a grandes melhorias na resistência e força que diminuem com o passar dos anos.
Felizmente, eu não estou apenas brincando com você com as coisas que um dia poderão acontecer. Controlar a saúde mitocondrial está agora ao nosso alcance.
Mas antes de discutir como elas afetam a força e resistência muscular, precisamos olhar para algumas coisas realmente alucinantes que serão o ponto crucial de toneladas de investigação científica e inovação nos próximos anos.



 Mitocôndria, ATP e Sexo:

As mitocôndrias são organelas pequenas que, como você pode dizer pela palavra, são mais ou menos como órgãos pequeninos e como órgãos, cada um possui funções específicas, neste caso, a produção de energia na forma de ATP, a moeda energética das células. Elas fazem isso por metabolizar os açúcares, gorduras e outras substâncias químicas com o auxílio de oxigênio.
(Toda vez que você toma creatina, você está com certeza "alimentando" suas mitocôndrias. A Creatina é transportada diretamente para dentro da célula onde é combinada com um grupo fosfato para formar a fosfocreatina, que é armazenada para uso posterior. Quando a energia é necessária, a molécula de fosfato se solta do grupo fosfato e se combina com uma molécula de ADP para formar o ATP).
Uma célula pode ter uma única mitocôndria solitária, ou como muitas células algumas centenas de milhares; dependendo de suas necessidades energéticas.

Células metabolicamente ativas, como fígado, rim, coração, cérebro e músculos possuem milhares de mitocôndrias que podem constituir até 40% da célula, enquanto que outras células “preguiçosas” como o sangue e a pele tem uma pequena quantidade.
Até mesmo os espermatozóides possuem mitocôndrias, mas nestes estão todas armazenadas na cauda ou flagelo. Assim que o espermatozóide atinge o alvo, a célula-ovo, a cauda é desprezada no oceano profundo do líquido prostático. Isso significa que somente as mitocôndrias da mãe são transmitidas à descendência. Isso é feito com tal precisão infalível que possamos acompanhar genes mitocondriais para trás quase 190 mil anos para uma mulher na África, que foi carinhosamente chamada de "Eva mitocondrial".
Os biólogos ainda postularam que este fenômeno particular é a razão pela qual existem dois sexos em vez de apenas um. Um sexo deve se especializar em repassar as mitocôndrias do óvulo (Mulher), enquanto o outro deve especializar-se em não passá-los (Homem).



 Mitocôndria e Longevidade:

A hipótese comumente aceita de envelhecimento é que, com o passar dos anos, ficamos cada vez mais frágeis, até que, finalmente, alguma parte ou partes se quebram não conseguindo mais se reparar e nós então somos levados ao óbito.
Os motivos populares incluem o desgaste ou o desenrolar dos telômeros - aquelas seqüências de nucleotídeos no final dos genes que determinam quantas vezes uma célula pode replicar. No caso de desgaste genérico, este não parece ser o principal motivo, pois diferentes espécies acumulam desgaste em taxas diferentes e, tanto quanto a teoria dos telômeros, a sua degradação entre diferentes espécies exibe muitas divergências que precisariam ser analisadas.
Outros dizem que é por causa de uma queda no GH ou de um declínio nas habilidades do sistema imunológico, mas qual seria o primeiro motivo desse declínio?
O que precisamos fazer é olhar para aqueles indivíduos ou espécies que não parecem sofrer com os sinais normais do envelhecimento. O mais antigo entre nós, esses raros centenários que aparecem na conversa em shows televisivos pela manhã por várias vezes gabando-se de comer bacon e gorduras a cada dia, parecem ser menos propensos a doenças degenerativas do que a maioria das outras pessoas.
Eles acabam morrendo por perda de massa muscular em vez de qualquer doença específica.
Da mesma forma, as aves raramente sofrem de qualquer doença degenerativa à medida que envelhecem. Mais frequentemente, elas voam ao redor como sempre fazem, até que um dia seu poder de voar chega ao fim, e elas morrem.

A resposta aos centenários e as aves, ou a esta longa vida livre de doenças parece estar relacionada com a mitocôndria. Em ambos os casos, as mitocôndrias deixam passar menos radicais livres.
Isto é importante porque muitas vezes as mitocôndrias determinam se uma célula vive ou morre, e esta é dependente da localização de uma única molécula; o citocromo C.
Qualquer um de uma série de fatores, incluindo a radiação UV, toxinas, calor, frio, infecções, ou poluentes pode obrigar uma célula a cometer suicídio, ou apoptose, mas o fluxo irrestrito de radicais livres é o que nós estamos preocupados agora.
O princípio subjacente é o seguinte: a despolarização da membrana interna mitocondrial, por meio de algum tipo de estresse, seja interno ou externo; faz com que os radicais livres sejam gerados . Estes radicais livres liberam citocromo C para o fluido celular, o que põe em movimento uma cascata de enzimas que cortam ou fatiam as células.
Esta observação levou à teoria popular de envelhecimento mitocondrial que surgiu em 1972. Dr. Denham Harman, o "pai" dos radicais livres, observou que as mitocôndrias são a principal fonte de radicais livres e que eles são destrutivos e atacam vários componentes da célula.
Se células suficientes cometem apoptose por vezes, é como se um açougueiro estivesse cortando um quilo de salame. O fígado, os rins, o cérebro, as células do sistema imunológico, mesmo o coração, perde massa e sua eficácia fatia por fatia. Assim aparecem as doenças do envelhecimento.
Por esta afirmação do Dr. Harman que quase todos os alimentos no mercado hoje exaltam seus poderes antioxidantes.

O problema é que o Dr. Harman parece ter se enganado, pelo menos parcialmente.
Por um lado, é difícil atingir a mitocôndria com alimentos antioxidantes. Pode ser a dosagem errada, o momento errado, ou até mesmo o antioxidante errado. Além disso, parece que se você desligar completamente o vazamento de radicais livres na mitocôndria, a célula comete suicídio. Dificilmente seria o efeito que estamos procurando.
(Isso não quer dizer que a ingestão de antioxidantes não seja boa para você, mas é importante perceber que esta interminável perseguição por alimentos que contêm antioxidantes mais e mais elevados pode não fazer muito para prolongar sua vida).
Os radicais livres, ao que parece, além de dizer para a célula quando esta deve cometer suicídio, também em fina sintonia com a respiração, também conhecida como a produção de ATP. Eles estão envolvidos em um ciclo de feedback sensitivo, avisando as mitocôndrias para fazer mudanças compensatórias no desempenho.

No entanto, se você desliga completamente ou diminui muito a produção de radicais livres através de métodos externos, como uma dieta ou drogas anti-oxidantes, o potencial da membrana das mitocôndrias entra em colapso e derrama proteínas apoptóticas na célula. Se um maior número de mitocôndrias fizer isso, a célula morre. Se um grande número de células fizer isto, o órgão e a saúde geral do indivíduo será prejudicada.
No caso do controle de radicais livres, parece que você está condenado se fizer e condenado se não o fizer.
Então novamente, é preciso olhar para os idosos e as aves. Acontece que há um gene em certos homens japoneses que suportam bem mais de cem anos de idade e levam a uma pequena redução no vazamento dos radicais livres. Se você tem esse gene, você terá 50% mais probabilidade de viver até os cem anos. Você também apresentará metade da probabilidade de acabar em um hospital por qualquer motivo.
Tanto quanto os pássaros, eles têm dois motivos a seu favor. Um deles seria a desarticulação de seu fluxo de elétrons para a produção de ATP, um processo conhecido como desacoplamento (uncoupling). Isto, na prática, restringe o vazamento de radicais livres.
Em segundo lugar, as aves têm mais mitocôndrias em suas células. Uma vez que elas têm mais, os leva a uma maior capacidade de reposição em repouso, e, portanto, diminui a taxa de redução e a liberação de radicais livres sofre uma forte queda.
Então, ficamos com esta conclusão: o aumento da densidade mitocondrial, juntamente com a desaceleração no vazamento de radicais livres, provavelmente levaria a uma vida mais longa, livre da maioria das doenças normalmente atribuídas à velhice.



 Mitocôndria e a Vida Livre de Doenças:


Desde que as mitocôndrias possuem seus próprios genes, e eles são sujeitos a mutações que afetam sua saúde e função. Adquirindo o suficiente dessas mutações, você pode afetar a maneira saudável das funções celulares. Afetam células suficientemente, você também afeta o órgão e o sistema da qual fazem parte.
Os órgãos mais atingidos são aqueles que são geralmente ricos em mitocôndrias, como os músculos, o cérebro, fígado e rins. Doenças específicas associadas à mitocôndria variam de Parkinson, Alzheimer, diabetes, vários distúrbios de fraqueza muscular vagamente diagnosticados, e até mesmo a Síndrome X.
Dê uma olhada em pacientes cardíacos, por exemplo. Geralmente, eles têm uma diminuição de 40% no DNA mitocondrial.
E, como prova de que a deficiência mitocondrial pode ser passado de geração em geração, as crianças resistentes à insulina de pais diabéticos tipo II, apesar de ser jovem e ainda magra, possuem 38% menos mitocôndrias em suas células musculares.

A disfunção mitocondrial mostrou ter influência na progressão do câncer de próstata em pacientes que foram tratados com cirurgia.
Algumas destas doenças mitocondriais podem não ser aparentes até que a pessoa com alguma disfunção na mitocôndria atinge uma certa idade. A célula muscular jovem, por exemplo, tem uma grande população (aproximadamente 85%) de mitocôndrias, que são livres de mutação e podem lidar com todas as demandas de energia colocados sobre elas. No entanto, como o número de mitocôndrias diminuem com a idade, as exigências de energia colocados nas mitocôndrias restantes tende a subir.
Em última análise, chega a um ponto em que as mitocôndrias não podem produzir energia suficiente e o órgão afetado ou os órgãos começam a exibir capacidade diminuída.
Claramente, as mitocôndrias desempenham um papel central na gênese de uma série de doenças, e a manutenção de um elevado grau de normalidade, mantendo as mitocôndrias sempre saudáveis poderia eliminar muitas doenças.




 Mitocôndria e Músculos Fortes:


Sua intuição pode dizer que as células musculares têm uma grande quantidade de mitocôndrias, e, além disso, você pode facilmente perceber que, quanto mais você tem, melhor será a sua capacidade de desempenho. Quanto mais mitocôndrias, mais energia você pode gerar durante o exercício.
Como exemplo, pombos e patos selvagens, que são as duas espécies conhecidas por sua resistência, possuem muitas e muitas mitocôndrias em sua musculatura peitoral. Em contraste, as galinhas, que não voam muito, possuem muito poucas mitocôndrias em sua musculatura peitoral.
No entanto, se você tivesse que decidir treinar um frango para uma versão de uma maratona de aves, você pode facilmente aumentar o número de mitocôndrias desta espécie, mas somente até certo ponto, pois o número também é regido pela genética dependendo de cada espécies.
Felizmente, você também pode aumentar o número de mitocôndrias nos seres humanos. O exercício crônico pode aumentar a densidade mitocondrial e, aparentemente, quanto mais vigoroso o exercício, mais mitocôndrias serão formadas.


Na verdade, se você conhece algum corredor delirante que chegam a correr mais de 50 km por semana, dizer-lhes que 10 a 15 minutos de corrida em um ritmo acelerado (5K) poderia fazer muito mais para a sua produção de energia total e eficiência, do que uma corrida de longa distância.
A curta duração de alta intensidade na corrida vai aumentar a densidade mitocondrial em um grau muito maior do que corrida de longa distância, o que, mais ou menos ironicamente, conduzirá a melhores tempos em suas corridas de longa distância.
O treinamento com peso também aumenta a densidade mitocondrial.
As fibras musculares do Tipo I, muitas vezes referidas como de contração lenta ou fibras de resistência, têm muitas mitocôndrias, enquanto a vários tipos de fibras de contração rápida - Tipo IIa, Tipo IIx, e Tipo IIb; estas possuem progressivamente menos mitocôndrias.

E embora seja verdade que o treinamento de resistência com pesos converta fibras de contração lenta em fibras de contração rápida; o número e a eficiência das mitocôndrias em cada tipo de fibra deve se manter em níveis de pico, para que o levantador não comece a experimentar uma perda na força muscular.
Isto é o que acontece com os atletas devido o avanço da idade. Um adulto idoso pode ser capaz de manter a maior parte ou mesmo toda a sua massa muscular através de um treinamento inteligente, mas a perda de eficiência mitocondrial pode levar a uma perda de força. Um estudo realizado com adultos idosos mostrou que a força muscular normalmente diminui três vezes mais rápido do que a massa muscular.
Claramente, mantendo a eficiência mitocondrial e ao mesmo tempo mantendo ou aumentando a sua quantidade iria pagar grandes dividendos em força e desempenho, independente da idade.



 Os Cuidados e a Nutrição das Mitocôndrias:

Felizmente, há uma série de maneiras em que você pode melhorar a saúde e eficiência mitocondrial. Uma vez que o principal problema no declínio da saúde mitocondrial relativo à idade parece ser o vazamento dos radicais livres, precisamos descobrir como retardar esse vazamento ao longo da vida.
Nós provavelmente poderíamos fazer isso por modificação genética (GM), mas dado o medo terrível do público sobre a modificação genética de qualquer tipo, a idéia de inserir novos genes em nosso corpo terá que ser posta de lado por um tempo.
A maneira menos controversa parece ser através dos velhos exercícios aeróbicos. Exercício acelera a taxa de fluxo de elétrons, o que faz com que a mitocôndria torne-se menos reativa, diminuindo assim (ou assim parece) a velocidade de vazamento de radicais livres.

Da mesma maneira, o exercício aeróbico, através do aumento do número de mitocôndrias, reduz a velocidade de fuga dos radicais livres. Quanto mais houver, maior a capacidade de reposição em repouso, o que reduz a taxa de redução e diminui a produção de radicais livres, portanto, ajudando na extensão da vida.
Os pássaros podem nos dar mais pistas. Suas cadeias respiratórias conseguem "desengatar", o que significa que desassociar o fluxo de elétrons a partir da produção de ATP. Sendo que a respiração celular depois se dissipa em forma de calor. Ao permitir um fluxo de elétrons constante para baixo na cadeia respiratória, o vazamento dos radicais livres é restrito.
Acontece que existem alguns compostos que, quando ingerido por humanos, fazem a mesma coisa. Uma delas é a notória e assassina droga usada para diminuição de gordura conhecida como DNP (Dinitrofenol). Os fisiculturistas eram grandes fãs dessa droga, uma vez que funciona muito bem na diminuição de gordura. Os usuários eram fáceis de ser identificados, porque eles ostentavam um suor excessivo, mesmo quando sentados em um frigorífico. O problema é que o DNP é muito tóxico.

A droga das Festas (ecstasy), funciona também como um agente de desacoplamento. No entanto, além de causar desidratação grave e representar todos os tipos de implicações éticas e sociológicas que tornam seu uso problemático.
A aspirina é também um desacoplador leve da cadeia respiratória, o que pode ajudar a explicar alguns dos seus efeitos benéficos.
Outra forma que pode ser capaz de aumentar o número de mitocôndrias (que aparentemente tem a vantagem de resultar em menos vazamento de radicais livres) é através do uso de componentes da dieta como pirroloquinolina quinona (PQQ).
Enquanto PQQ atualmente não seja vista como uma vitamina, a sua participação nas vias de sinalização celular, especialmente aquelas relacionadas com a biogênese mitocondrial; pode eventualmente, levar a ser considerada como essencial à vida.
Na sequência, comentaremos com mais detalhes os benefícios de alguns outros suplementos para a função mitocondrial.


Nota do Nutricionista:

Acho que a maioria das pessoas esquece o papel fundamental das mitocôndrias na produção de energia em todas as células.
Este artigo ajuda a compreendermos toda a importância da função mitocondrial e sua relação com as doenças.
“Claramente, as mitocôndrias desempenham um papel central na gênese de uma série de doenças, e a manutenção de um elevado grau de normalidade, mantendo as mitocôndrias sempre saudáveis poderia eliminar muitas doenças.”
Na segunda parte do artigo iremos abordar os benefício de alguns nutrientes na otimização da função mitocondrial.

Um comentário: