quinta-feira, 10 de outubro de 2019

A Metformina se Tornará o Primeiro Medicamento Antienvelhecimento?





Artigo Editado por Raegan Linton.

Traduzido pelo Nutricionista Reinaldo José Ferreira CRN3 – 6141
www.suplementacaoesaude.blogspot.com




Um grupo comprometido de cientistas está tentando validar a metformina como o primeiro medicamento antienvelhecimento. (1,2)
Nos dias atuais com preços surpreendentemente altos dos medicamentos, a metformina está disponível como um genérico de baixo custo.
Um mecanismo pelo qual a metformina funciona é a ativação da AMPK, uma enzima dentro das células que reduz o açúcar no sangue, promovendo a utilização de energia.
A ativação do AMPK tem efeitos abrangentes que vão muito além do controle da glicose no sangue. Estudos mostram que o aumento da atividade da AMPK pode prevenir, e até reverter os efeitos do encurtamento da vida pelo envelhecimento, como doenças cardiovasculares, diabetes, doenças neurodegenerativas, câncer e muito mais. (3)
Neste artigo, revisaremos os dados que convenceram o FDA a permitir que a metformina seja estudada em humanos como o primeiro medicamento antienvelhecimento . (1)


Efeitos de Amplo Espectro:

O medicamento antidiabético mais comumente prescrito é a metformina. Está em uso na Inglaterra desde 1958 e nos Estados Unidos desde 1995.
Derivado de um composto encontrado no lilás francês ou Galega Officinalis, a metformina tem um histórico de segurança e eficácia em doses rotineiras de até 2.000 mg por dia. (4-7)
Então, que evidência há para o FDA considerar este medicamento como um medicamento antienvelhecimento ? O motivo é simples:
A metformina pode bloquear ou diminuir muitos dos fatores fundamentais que aceleram o envelhecimento.(8-12)
Isso inclui a proteção contra a glicação de danos no DNA, função mitocondrial deficiente e inflamação crônica. Foi demonstrado que a metformina facilita o reparo do DNA, que é fundamental para a prevenção do câncer.
Ao atacar esses processos degenerativos fundamentais, a metformina pode impedir o desenvolvimento das doenças mais preocupantes do envelhecimento.
Também demonstrou-se que a metformina aumenta a produção de moléculas de sinalização promotoras da longevidade conhecidas nas células, como mTOR e AMPK, todas as quais reduzem o armazenamento de gordura e açúcar e aumentam o funcionamento da juventude a nível celular. (11,13)
Estudos demonstraram que, ao ativar o AMPK, a metformina afeta especificamente a vida útil. Por exemplo, lombrigas tratadas com metformina têm maior atividade da AMPK e vivem cerca de 20% mais que os animais controle não tratados. (14) Verificou-se que ratos tratados com metformina vivem quase 6% mais que os controles. (11) E o mais impressionante é que os diabéticos em uso de metformina demonstraram viver 15% mais do que indivíduos saudáveis ​​sem diabetes! (15)
A atividade da AMPK diminui com a idade (16), tornando-nos mais vulneráveis ​​a muitas das doenças associadas ao envelhecimento. Felizmente, diversos estudos recentes mostram que, ao ativar a AMPK, a metformina desempenha um papel importante na prevenção de distúrbios relacionados à idade, incluindo câncer, doenças cardiovasculares, obesidade e declínio neurocognitivo.
Ao combater muitas das causas subjacentes do envelhecimento, e ao ativar a AMPK - a metformina pode ser considerada um medicamento antienvelhecimento de amplo espectro.


O que você precisa saber:

Metformina como um Medicamento Antienvelhecimento -

A metformina é um cavalo de batalha firme contra o diabetes há mais de 50 anos.
Estudos mostram que a metformina atua aumentando a atividade da AMPK, um regulador metabólico mestre que favorece a queima de gordura e açúcar e evita seu acúmulo.
Como a AMPK é relevante em todos os tecidos, isso torna a metformina extremamente importante na redução dos desequilíbrios metabólicos em todo o corpo.
Fortes evidências sugerem que a metformina, através de seus efeitos protetores e propriedades ativadoras da AMPK, pode ajudar a prevenir o câncer, doenças cardiovasculares, obesidade e suas consequências e até distúrbios neurodegenerativos.


Efeitos Protetores da Metformina Contra o Câncer:

Diabéticos têm um risco aumentado de câncer. Em um estudo sobre câncer de cabeça e pescoço, os pesquisadores ficaram surpresos ao descobrir que pacientes diabéticos tiveram uma redução de 46% no risco de desenvolver esses tipos de câncer em comparação com pacientes não diabéticos. (17) Qual foi o motivo dessa redução inesperada? Os pacientes diabéticos estavam tomando metformina.
Efeitos semelhantes também foram observados para o risco de câncer gástrico (estômago), com usuários de metformina experimentando uma diminuição de 55% no risco de câncer de estômago em comparação com não usuários.(18) Estudos importantes como esses ajudaram a confirmar uma tendência de uma década sugerindo que a metformina tem propriedades anticâncer. (17)
Enquanto esses estudos mostram que a metformina tem o potencial de reduzir o risco de desenvolver câncer, outros mostram seus benefícios para quem já tem câncer.
Um estudo que incluiu 27 ensaios clínicos representando mais de 24.000 pacientes constatou que, em pessoas com câncer de estágio inicial do cólon e do reto, a metformina fornece uma melhora na sobrevida livre de recidiva em 37 %, sobrevida global em 31 % e sobrevida específica do câncer em 42 % . (19)
O mesmo estudo relatou resultados semelhantes para homens com câncer de próstata em estágio inicial, com o uso de metformina aumentando a sobrevida livre de recidiva em 17%a sobrevida global em 18% e a sobrevida livre de câncer em 42% em comparação com os  não usuários de Metformina. (19)
Até agora, a metformina foi estudada no contexto da incidência total de tumores em 17 órgãos-alvo diferentes, 21 linhagens de camundongos e quatro linhagens de ratos. Foi estudado em cânceres que ocorrem espontaneamente e naqueles induzidos por 16 agentes cancerígenos diferentes de várias classes, radiação ionizante, vírus, modificações genéticas e dietas ricas em gordura, usando cinco vias diferentes de administração. (20)
Um total de 86% desses estudos mostrou que a metformina claramente inibiu o desenvolvimento do câncer e mostrou zero evidência de estimulação do câncer pela droga. (20)
De fato, como disse recentemente um especialista, talvez seja hora de “resumir essa longa história” sobre a metformina: ela trabalha para prevenir o câncer. (20)


A Metformina Previne Doenças Cardiovasculares:

Apesar de bilhões de dólares gastos em medicamentos como Crestor e Lipitor, as doenças cardiovasculares continuam sendo as maiores causas de morte nos Estados Unidos. Embora existam várias causas de doenças cardiovasculares, a maioria se resume ao desenvolvimento de aterosclerose, ou "endurecimento das artérias".
A aterosclerose é promovida por fatores como oxidação do colesterol LDL, acúmulo dessa gordura oxidada nas paredes arteriais e danos ao endotélio, que é a fina camada de células que revestem essas paredes arteriais. (21)
Sabe-se agora que a metformina evita essas etapas iniciais no desenvolvimento da aterosclerose.
Uma das principais maneiras de fazer isso é ativando o regulador metabólico AMPK.

Ao ativar o AMPK, a metformina:

Atenua a oxidação do LDL e a disfunção endotelial resultante, o que atrasa o desenvolvimento da aterosclerose. (21)
Reduz a conversão de células inócuas do sistema imunológico (monócitos) em macrófagos carregados de gordura, uma ação que reduz seu acúmulo nas paredes dos vasos. (22) Também aumenta a exportação de colesterol dessas células, além de suprimir o estímulo inflamatório que elas normalmente produzem. (23,24)
Oferece proteção crítica às células endoteliais que revestem as artérias coronárias, que fornecem sangue ao próprio músculo cardíaco. Especificamente, a metformina aumenta a resistência das células endoteliais ao "envenenamento por gordura", a morte de células endoteliais na presença de altas concentrações de gordura. (25) Isso é altamente protetor contra ataques cardíacos, que ocorrem quando as artérias coronárias, bloqueadas por placas ateroscleróticas carregadas de células gordurosas e inflamatórias, falham em fornecer sangue suficiente ao músculo cardíaco que trabalha duro.
A metformina também demonstrou prevenir a fragmentação das mitocôndrias nas células endoteliais. (26) Essa fragmentação está intimamente associada à disfunção das células endoteliais e agora é considerada um importante precursor da aterosclerose. (26)
Os resultados desses efeitos protetores foram vistos em numerosos estudos em humanos. Em um estudo, pacientes com ataque cardíaco em uso de metformina tiveram uma redução significativa de 75% no risco de morrer após 30 dias e uma redução de 68% no risco de morrer 12 meses após o ataque. (27)
Vários estudos também demonstraram que a metformina reduz o risco de ataque cardíaco e está associada à redução de acidente vascular cerebral, fibrilação atrial (arritmia) e morte por todas as causas. (28).
Finalmente, um estudo de 2016 mostrou reduções significativas na pressão arterial sistólica (número superior) em pessoas não diabéticas em uso de metformina. As maiores reduções foram observadas naqueles com diminuição da tolerância à glicose ou obesidade. (29)
A obesidade em si parece pronta a ceder ao tratamento com metformina, como veremos agora.




FDA Aprova Primeiro Estudo Antienvelhecimento:

O FDA aprovou um estudo que determinará se a metformina pode fazer mais do que diminuir a glicose no sangue, avaliará a capacidade da metformina de retardar o envelhecimento. Este é o primeiro estudo antienvelhecimento aprovado pelo FDA.
Estudos demonstraram que a metformina pode bloquear ou diminuir muitos dos fatores subjacentes que aceleram o envelhecimento, e também demonstrou prolongar a vida útil dos animais. O Dr. Nir Barzilai, da Faculdade de Medicina Albert Einstein, juntamente com pesquisadores da Federação Americana de Pesquisa sobre o Envelhecimento (AFAR), deseja descobrir se a metformina também pode prolongar a vida útil dos seres humanos.
O estudo, chamado Targeting Aging with Metformin (TAME), avaliará 3.000 pessoas ao longo de seis anos. Metade dos participantes receberá metformina e a outra metade receberá um placebo. Como o envelhecimento é amplamente caracterizado pelo desenvolvimento da doença, o sucesso do estudo será determinado se o medicamento atrasa ou não o aparecimento de doenças típicas relacionadas à idade, como doenças cardiovasculares, câncer e declínio cognitivo.
Este estudo inovador tem o potencial de mudar o futuro de como tratamos as doenças. O desenvolvimento de um único medicamento projetado para tratar várias condições reduziria drasticamente o número de medicamentos que uma pessoa comum precisaria, o que reduziria os efeitos colaterais gerais do medicamento, eliminaria as contra-indicações e, é claro, economizaria dinheiro.

Nada disso é bom para os resultados da Big Pharma, o que é provavelmente o motivo pelo qual nenhuma empresa concordou em financiar o estudo. Até que isso aconteça, este importante estudo está em espera.

Mas você pode ajudar. A AFAR está buscando contribuições individuais para iniciar o estudo TAME. Para saber mais e fazer uma doação, se quiser, visite www.afar.org/donate/


A Metformina Reduz o Peso Corporal e a Massa Gorda:

 A capacidade da metformina de ativar o AMPK o torna especialmente benéfico no combate à obesidade. Isso ocorre porque o AMPK é um regulador metabólico que estimula comportamentos celulares jovens, como queima de gordura (em vez de armazená-la), retirada de açúcar do sangue e reciclagem do conteúdo celular para eliminar proteínas tóxicas. (30)
Como resultado, pode-se esperar que a metformina tenha efeitos importantes no peso corporal e nos depósitos de gordura. E, de fato, estudos mostram que a metformina combate a obesidade e reduz a massa de gordura corporal, mesmo em pacientes não diabéticos.
Isso é verdade em algumas das populações mais desafiadoras, como mulheres com síndrome dos ovários policísticos, uma das principais causas de obesidade e problemas endócrinos em mulheres na pré-menopausa.
Em um estudo, mulheres com síndrome dos ovários policísticos foram tratadas com 850 mg de metformina ou um placebo duas vezes ao dia por 6 meses. Durante esse período, os participantes do grupo placebo apresentaram aumento de peso e glicose no sangue, conforme o esperado. Aqueles que tomavam metformina, por outro lado, tiveram diminuições significativas de peso e glicose no sangue, com mulheres tratadas com metformina perdendo uma média de 9,24 libras (4,1 kg). O grupo metformina também teve aumentos significativos no colesterol HDL benéfico. (31)
Verificou-se que a metformina reduz significativamente o peso corporal, o índice de massa corporal (IMC) e a resistência à insulina em pacientes que tomam medicamentos antipsicóticos modernos, como olanzapina, aripiprazol, risperidona e quetiapina. (32-35) 

Esses são resultados impressionantes, uma vez que os principais efeitos colaterais desses medicamentos incluem ganho rápido de peso, perda de sensibilidade à insulina e outras características da síndrome metabólica. (36)
Mas, de longe, o maior grupo de pessoas que lutam contra a obesidade está simplesmente envelhecendo indivíduos que são saudáveis ​​(não diabéticos). A metformina também é promissora para essa população.
Um estudo importante em um grupo dessas pessoas, todas as mulheres com ganho de peso na meia-idade, mas com glicose no sangue normal; mostrou que tomar metformina por 12 meses reduziu o peso corporal médio em 11,6 libras (5,2 kg) . (37) Além disso, os indivíduos tratados tiveram diminuições significativas no percentual de gordura corporal, uma mudança favorável que pode reduzir muitas das consequências a longo prazo da obesidade.
A metformina também é promissora em jovens obesos, mas de outra forma saudáveis. Um grupo de crianças de 10 a 16 anos tomou 2.000 mg de metformina por dia ou um placebo por 18 meses. Aqueles que tomavam metformina perderam quase meio quilo de massa gorda. Por outro lado, o grupo placebo ganhou quase 4,5 quilos em massa gorda. (38)


Metformina como Neuroprotetor:

Existe uma crescente literatura sobre o papel potencial da metformina na prevenção de distúrbios neurodegenerativos, como as doenças de Alzheimer e Parkinson. Mais uma vez, grande parte desta literatura concentra-se na capacidade da metformina de ativar o AMPK, o regulador de energia que promove a juventude em todas as nossas células.
Um dos principais efeitos da ativação da AMPK é a limpeza das proteínas dobradas acumuladas nas células cerebrais. O acúmulo de proteínas, como tau e beta-amilóide, contribui para a morte e disfunção das células cerebrais em doenças neurodegenerativas.
Assim, faz sentido que a metformina possa ser eficaz na prevenção de distúrbios associados a essas proteínas. Numerosos estudos em animais e em laboratório mostram que a metformina realmente tem esses efeitos. Esses estudos demonstram que a metformina:

Reduz os níveis de uma enzima que gera proteínas beta-amilóides (32)
Diminui o efeito prejudicial da beta-amilóide na função das células cerebrais (39-41)
Reduz os níveis de alfa-sinucleína, outra proteína que se acumula e causa danos na doença de Parkinson (42)
Previne a perda de células cerebrais produtoras de dopamina em um modelo da doença de Parkinson (43,44)

Melhora a coordenação motora em um modelo de mouse do Parkinson (45)
Em 2016, um estudo em humanos mostrou que tomar 1.000 mg de metformina duas vezes ao dia por 12 meses melhorou a recuperação da memória em um grupo de idosos com uma condição chamada comprometimento cognitivo leve amnésico (um predecessor da doença de Alzheimer que rouba memória). (39)
Dadas as estreitas conexões entre Alzheimer e diabetes (tem sido chamada de “diabetes tipo III”), há todos os motivos para acreditar que a metformina, por meio de suas propriedades ativadoras da AMPK, ajudará na longa luta para reter nossas mentes e personalidades à medida que envelhecemos.


Precauções e Sugestões Úteis no Uso da Metformina:

Embora a metformina tenha um excelente histórico na luta contra diabetes, câncer, obesidade, doenças neurodegenerativas e cardiovasculares, existem algumas precauções a serem observadas com seu uso.
Sabe-se que a metformina interfere na absorção da vitamina B12, aumentando o risco de deficiência de vitamina B12. (46,47)  Os baixos níveis de B12 contribuem para maiores concentrações de homocisteína obstrutiva da artéria, um fator de risco independente para doença cardiovascular. (48,49) As pequenas quantidades de vitamina B12 e outras vitaminas do complexo B encontradas em suplementos comerciais geralmente não são suficientes para compensar esse problema. Indivíduos que usam metformina devem garantir que estejam tomando doses mais altas de vitaminas do complexo B (pelo menos 300 mcg de metilcobalamina, (a forma ativa da vitamina B12) e verificando seus níveis de homocisteína para garantir a proteção adequada.
Alguns estudos demonstraram que a metformina reduz os níveis de  testosterona livre e total nos homens. (50) A testosterona é especialmente importante em diabéticos masculinos, pois aumenta a sensibilidade à insulina. (51) A Life Extension publicou anteriormente dados clínicos sobre a importância de manter os níveis de testosterona juvenil em homens diabéticos para melhorar a utilização da glicose. (52)

Se um exame de sangue mostrar baixos níveis de testosterona, a aplicação de um creme tópico de testosterona pode restaurar os níveis desse hormônio vital em faixas jovens.
Os efeitos colaterais associados ao uso de metformina incluem desconforto gastrointestinal ou um leve distúrbio do paladar, geralmente um gosto metálico. Raramente, a metformina pode causar acidose láctica potencialmente grave, um acúmulo de ácido láctico no sangue. (53)
Se você usa ou está considerando tomar metformina, consulte seu médico, tome suas vitaminas B e verifique periodicamente sua função renal, níveis de homocisteína e, nos homens, testosterona livre e total.


Resumo:

O primeiro teste clínico do mundo de um verdadeiro medicamento "antienvelhecimento" pode estar prestes a começar. Mas, embora o estudo seja novo, o medicamento tem mais de meio século.
A metformina é usada há mais de 50 anos para tratar o diabetes tipo II. Atualmente, diversos estudos recentes apóiam um papel importante da metformina na prevenção de distúrbios relacionados à idade, incluindo câncer, doenças cardiovasculares, obesidade e declínio neurocognitivo.
A Federação Americana de Pesquisa sobre o Envelhecimento (AFAR) tem um longo e difícil caminho para iniciar esse estudo (chamado TAME, ou o estudo Targeting Aging with Metformmin). Eles enfrentam uma oposição quase certa das grandes empresas farmacêuticas, para quem tratar e não impedir o envelhecimento é um negócio lucrativo.
A boa notícia é que não precisamos esperar que este novo estudo com metformina decole. A metformina já está disponível como medicamento de prescrição. E muitos médicos atenciosos que são apresentados com as evidências prescrevem-na com base em seus benefícios reconhecidos contra distúrbios específicos relacionados à idade.
Também se demonstrou que os nutrientes aumentam a atividade e a função da AMPK para reduzir a glicose no sangue semelhante à metformina. (54-57)




Nota do Nutricionista:

O primeiro teste clínico do mundo de um verdadeiro medicamento "antienvelhecimento" pode estar prestes a começar. Mas, embora o estudo seja novo, o medicamento tem mais de meio século.
A metformina é usada há mais de 50 anos para tratar o diabetes tipo II. Atualmente, diversos estudos recentes apóiam um papel importante da metformina na prevenção de distúrbios relacionados à idade, incluindo câncer, doenças cardiovasculares, obesidade e declínio neurocognitivo.
Independente do estudo se concretizar podemos com a indicação médica desfrutar de todos os benefícios da Metformina; além dos benefícios, seu custo é incrivelmente baixo.



Referências:

1.   Available at: http://www.afar.org/natgeo/. Accessed 24 October, 2016.
2.   Barzilai N, Crandall JP, Kritchevsky SB, et al. Metformin as a Tool to Target Aging. Cell Metab. 2016;23(6):1060-5.
3.   Coughlan KA, Valentine RJ, Ruderman NB, et al. AMPK activation: a therapeutic target for type 2 diabetes? Diabetes Metab Syndr Obes. 2014;7:241-53
4.   Available at: https://www.drugs.com/dosage/metformin.html. Accessed 25 February, 2016
5.   Graham GG, Punt J, Arora M, et al. Clinical pharmacokinetics of metformin. Clin Pharmacokinet. 2011;50(2):81-98
6.   Hadden DR. Goat’s rue - French lilac - Italian fitch - Spanish sainfoin: gallega officinalis and metformin: the Edinburgh connection. J R Coll Physicians Edinb. 2005;35(3):258-60
7.   Perla V, Jayanty SS. Biguanide related compounds in traditional antidiabetic functional foods. Food Chem. 2013;138(2-3):1574-80
8.   Formoso G, De Filippis EA, Michetti N, et al. Decreased in vivo oxidative stress and decreased platelet activation following metformin treatment in newly diagnosed type 2 diabetic subjects. Diabetes Metab Res Rev. 2008;24(3):231-7
9.   Garg G, Singh S, Singh AK, et al. Metformin Alleviates Altered Erythrocyte Redox Status During Aging in Rats. Rejuvenation Res. 2016
10.  Cameron AR, Morrison VL, Levin D, et al. Anti-Inflammatory Effects of Metformin Irrespective of Diabetes Status. Circ Res. 2016;119(5):652-65
11.  Martin-Montalvo A, Mercken EM, Mitchell SJ, et al. Metformin improves healthspan and lifespan in mice. Nat Commun. 2013;4:2192
12.  Lee YS, Doonan BB, Wu JM, et al. Combined metformin and resveratrol confers protection against UVC-induced DNA damage in A549 lung cancer cells via modulation of cell cycle checkpoints and DNA repair. Oncol Rep. 2016;35(6):3735-41
13.  de Kreutzenberg SV, Ceolotto G, Cattelan A, et al. Metformin improves putative longevity effectors in peripheral mononuclear cells from subjects with prediabetes. A randomized controlled trial. Nutr Metab Cardiovasc Dis. 2015;25(7):686-93
14.  De Haes W, Frooninckx L, Van Assche R, et al. Metformin promotes lifespan through mitohormesis via the peroxiredoxin PRDX-2. Proc Natl Acad Sci U S A. 2014;111(24):E2501-9
15.  Bannister CA, Holden SE, Jenkins-Jones S, et al. Can people with type 2 diabetes live longer than those without? A comparison of mortality in people initiated with metformin or sulphonylurea monotherapy and matched, non-diabetic controls. Diabetes Obes Metab. 2014;16(11):1165-73
16.  Salminen A, Kaarniranta K. AMP-activated protein kinase (AMPK) controls the aging process via an integrated signaling network. Ageing Res Rev. 2012;11(2):230-41
17.  Figueiredo RA, Weiderpass E, Tajara EH, et al. Diabetes mellitus, metformin and head and neck cancer. Oral Oncol. 2016;61:47-54
18.  Tseng CH. Metformin reduces gastric cancer risk in patients with type 2 diabetes mellitus. Aging (Albany NY). 2016;8(8):1636-49
19.  Coyle C, Cafferty FH, Vale C, et al. Metformin as an adjuvant treatment for cancer: a systematic review and meta-analysis. Ann Oncol. 2016;27(12):2184-95
20.  Anisimov VN. Metformin for cancer and aging prevention: is it a time to make the long story short? Oncotarget. 2015;6(37):39398-407
21.  Dong Y, Zhang M, Wang S, et al. Activation of AMP-activated protein kinase inhibits oxidized LDL-triggered endoplasmic reticulum stress in vivo. Diabetes. 2010;59(6):1386-96
22.  Vasamsetti SB, Karnewar S, Kanugula AK, et al. Metformin inhibits monocyte-to-macrophage differentiation via AMPK-mediated inhibition of STAT3 activation: potential role in atherosclerosis. Diabetes. 2015;64(6):2028-41
23.  Wan X, Huo Y, Johns M, et al. 5’-AMP-activated protein kinase-activating transcription factor 1 cascade modulates human monocyte-derived macrophages to atheroprotective functions in response to heme or metformin. Arterioscler Thromb Vasc Biol. 2013;33(11):2470-80
24.  Buldak L, Labuzek K, Buldak RJ, et al. Metformin affects macrophages’ phenotype and improves the activity of glutathione peroxidase, superoxide dismutase, catalase and decreases malondialdehyde concentration in a partially AMPK-independent manner in LPS-stimulated human monocytes/macrophages. Pharmacol Rep. 2014;66(3):418-29
25.  Eriksson L, Nystrom T. Activation of AMP-activated protein kinase by metformin protects human coronary artery endothelial cells against diabetic lipoapoptosis. Cardiovasc Diabetol. 2014;13:152
26.  Wang Q, Zhang M, Torres G, et al. Metformin Suppresses Diabetes-Accelerated Atherosclerosis via the Inhibition of Drp1-Mediated Mitochondrial Fission. Diabetes. 2017;66(1):193-205
27.  Abualsuod A, Rutland JJ, Watts TE, et al. The Effect of Metformin Use on Left Ventricular Ejection Fraction and Mortality Post-Myocardial Infarction. Cardiovasc Drugs Ther. 2015;29(3):265-75
28.  Anabtawi A, Miles JM. Metformin: Nonglycemic Effects and Potential Novel Indications. Endocr Pract. 2016;22(8):999-1007
29.  Zhou L, Liu H, Wen X, et al. Effects of metformin on blood pressure in nondiabetic patients: a meta-analysis of randomized controlled trials. J Hypertens. 2017;35(1):18-26
30.  Luo T, Nocon A, Fry J, et al. AMPK Activation by Metformin Suppresses Abnormal Extracellular Matrix Remodeling in Adipose Tissue and Ameliorates Insulin Resistance in Obesity. Diabetes. 2016;65(8):2295-310
31.  Trolle B, Flyvbjerg A, Kesmodel U, et al. Efficacy of metformin in obese and non-obese women with polycystic ovary syndrome: a randomized, double-blinded, placebo-controlled cross-over trial. Hum Reprod. 2007;22(11):2967-73
32.  Wang M, Tong JH, Zhu G, et al. Metformin for treatment of antipsychotic-induced weight gain: a randomized, placebo-controlled study. Schizophr Res. 2012;138(1):54-7
33.  Wu RR, Jin H, Gao K, et al. Metformin for treatment of antipsychotic-induced amenorrhea and weight gain in women with first-episode schizophrenia: a double-blind, randomized, placebo-controlled study. Am J Psychiatry. 2012;169(8):813-21
34.  Chen CH, Huang MC, Kao CF, et al. Effects of adjunctive metformin on metabolic traits in nondiabetic clozapine-treated patients with schizophrenia and the effect of metformin discontinuation on body weight: a 24-week, randomized, double-blind, placebo-controlled study. J Clin Psychiatry. 2013;74(5):e424-30
35.  Peng PJ, Ho PS, Tsai CK, et al. A Pilot Study of Randomized, Head-to-Head of Metformin Versus Topiramate in Obese People With Schizophrenia. Clin Neuropharmacol. 2016;39(6):306-10
36.  Komossa K, Depping AM, Gaudchau A, et al. Second-generation antipsychotics for major depressive disorder and dysthymia. Cochrane Database Syst Rev. 2010(12):CD008121
37.  Mogul H, Freeman R, Nguyen K. Metformin-Sustained Weight Loss and Reduced Android Fat Tissue at 12 Months in Empowir (Enhance the Metabolic Profile of Women with Insulin Resistance): A Double Blind, Placebo-Controlled, Randomized Trial of Normoglycemic Women with Midlife Weight Gain. Endocr Pract. 2016;22(5):575-86
38.  van der Aa MP, Elst MA, van de Garde EM, et al. Long-term treatment with metformin in obese, insulin-resistant adolescents: results of a randomized double-blinded placebo-controlled trial. Nutr Diabetes. 2016;6(8):e228
39.  Luchsinger JA, Perez T, Chang H, et al. Metformin in Amnestic Mild Cognitive Impairment: Results of a Pilot Randomized Placebo Controlled Clinical Trial. J Alzheimers Dis. 2016;51(2):501-14
40.  Chen B, Teng Y, Zhang X, et al. Metformin Alleviated Abeta-Induced Apoptosis via the Suppression of JNK MAPK Signaling Pathway in Cultured Hippocampal Neurons. Biomed Res Int. 2016;2016:1421430
41.  Chiang MC, Cheng YC, Chen SJ, et al. Metformin activation of AMPK-dependent pathways is neuroprotective in human neural stem cells against Amyloid-beta-induced mitochondrial dysfunction. Exp Cell Res. 2016;347(2):322-31
42.  Perez-Revuelta BI, Hettich MM, Ciociaro A, et al. Metformin lowers Ser-129 phosphorylated alpha-synuclein levels via mTOR-dependent protein phosphatase 2A activation. Cell Death Dis. 2014;5:e1209
43.  Bayliss JA, Lemus MB, Santos VV, et al. Metformin Prevents Nigrostriatal Dopamine Degeneration Independent of AMPK Activation in Dopamine Neurons. PLoS One. 2016;11(7):e0159381
44.  Lu M, Su C, Qiao C, et al. Metformin Prevents Dopaminergic Neuron Death in MPTP/P-Induced Mouse Model of Parkinson’s Disease via Autophagy and Mitochondrial ROS Clearance. Int J Neuropsychopharmacol. 2016;19(9)
45.  Patil SP, Jain PD, Ghumatkar PJ, et al. Neuroprotective effect of metformin in MPTP-induced Parkinson’s disease in mice. Neuroscience. 2014;277:747-54
46.  Mazokopakis EE, Starakis IK. Recommendations for diagnosis and management of metformin-induced vitamin B12 (Cbl) deficiency. Diabetes Res Clin Pract. 2012;97(3):359-67
47.  de Jager J, Kooy A, Lehert P, et al. Long term treatment with metformin in patients with type 2 diabetes and risk of vitamin B-12 deficiency: randomised placebo controlled trial. Bmj. 2010;340:c2181
48.  Carlsen SM, Folling I, Grill V, et al. Metformin increases total serum homocysteine levels in non-diabetic male patients with coronary heart disease. Scand J Clin Lab Invest. 1997;57(6):521-7
49.  Ganguly P, Alam SF. Role of homocysteine in the development of cardiovascular disease. Nutr J. 2015;14:6
50.  Ozata M, Oktenli C, Bingol N, et al. The effects of metformin and diet on plasma testosterone and leptin levels in obese men. Obes Res. 2001;9(11):662-7
51.  Grossmann M, Thomas MC, Panagiotopoulos S, et al. Low testosterone levels are common and associated with insulin resistance in men with diabetes. J Clin Endocrinol Metab. 2008;93(5):1834-40
52.  Available at: http://www.lifeextension.com/magazine/2007/7/report_diabetes/Page-01. Accessed January 26, 2017
53.  Available at: http://www.diabetes.co.uk/diabetes-medication/metformin-side-effects.html. Accessed January 26, 2017
54.  Nguyen PH, Gauhar R, Hwang SL, et al. New dammarane-type glucosides as potential activators of AMP-activated protein kinase (AMPK) from Gynostemma pentaphyllum. Bioorg Med Chem. 2011;19(21):6254-60
55.  Shi L, Qin N, Hu L, et al. Tiliroside-derivatives enhance GLUT4 translocation via AMPK in muscle cells. Diabetes Res Clin Pract. 2011;92(2):e41-6.
56.  Nagatomo A, Nishida N, Matsuura Y, et al. Rosehip Extract Inhibits Lipid Accumulation in White Adipose Tissue by Suppressing the Expression of Peroxisome Proliferator-activated Receptor Gamma. Prev Nutr Food Sci. 013;18(2):85-91.
57.  Goto T, Teraminami A, Lee JY, et al. Tiliroside, a glycosidic flavonoid, ameliorates obesity-induced metabolic disorders via activation of adiponectin signaling followed by enhancement of fatty acid oxidation in liver and skeletal muscle in obese-diabetic mice. J Nutr Biochem. 2012;23(7):768-76.