sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

AMPK, a Enzima que Aumenta a Longevidade e Emagrece !



AMPK, a Enzima que Aumenta a Longevidade e Emagrece !



-Nelson, KE, Williams, CM. Infectious Disease Epidemiology. Burlington, MA: Jones & Bartlett Publishers; 2014.

-Mortensen B, Poulsen P, Wegner L, et al. Genetic and metabolic effects on skeletal muscle AMPK in young and older twins. Am J Physiol Endocrinol Metab. 2009;297:E956–E64.

-Ford ES, Dietz WH. Trends in energy intake among adults in the United States: findings from NHANES. Am J Clin Nutr. 2013;97(4):848-53.

-Saha AK, Xu XJ, Balon TW, Brandon A, Kraegen EW, Ruderman NB. Insulin resistance due to nutrient excess: is it a consequence of AMPK downregulation? Cell Cycle. 2011 Oct 15;10(20):3447-51.

-Available at: http://www.smithsonianmag.com/smart-news/there-are-37.2-trillion-cells-in-your-body-4941473/?no-ist. Accessed August 23, 2014.

-Winder WW, Hardie DG. AMP-activated protein kinase, a metabolic master switch: possible roles in type 2 diabetes. Am J Physiol. 1999 Jul;277(1 Pt 1):E1-10.

-Park SH, Huh TL, Kim SY, et al. Antiobesity effect of Gynostemma pentaphyllum extract (actiponin): a randomized, double-blind, placebo-controlled trial. Obesity (Silver Spring). 2014 Jan;22(1):63-71.

-Salminen A, Hyttinen JM, Kaarniranta K. AMP-activated protein kinase inhibits NF-kB signaling and inflammation: impact on health span and life span. J Mol Med. 2011;89(7):667-76.

-Cohen DE , Supinski AM,Bonkowski MS,Donmez G, Guarente LP. Neuronal SIRT1 regulates endocrine and behavioral responses to calorie restriction. Genes Dev. 2009 Dec 15;23(24): 2812-7.

-Mihaylova MM, Shaw RJ. The AMPK signaling pathway coordinates cell growth, autophagy and metabolism. Nat Cell Biol. 2011 Sep 2;13(9):1016-23.

-Hardie DG. AMP-activated protein kinase: a key system mediating metabolic responses to exercise. Med Sci Sports Exerc. 2004 Jan;36(1):28-34.

-Hawley SA, Gadalla AE, Olsen GS, Hardie DG. The antidiabetic drug metformin activates the AMP-activated protein kinase cascade via an adenine nucleotide-independent mechanism. Diabetes. 2002 Aug;51(8):2420-5.

-Gauhar R, Hwang SL, Jeong SS, et al. Heat-processed Gynostemma pentaphyllum extract improves obesity in ob/ob mice by activating AMP-activated protein kinase. Biotechnol Lett. 2012 Sep;34(9):1607-16.

-Qiao W, Zhao C, Qin N, Zhai HY, Duan HQ. Identification of trans-tiliroside as active principle with anti-hyperglycemic, anti-hyperlipidemic and antioxidant effects from Potentilla chinesis. J Ethnopharmacol. 2011 May 17;135(2):515-21.
- Zong H, Ren JM, Young LH, Pypaert M, Mu J, Birnbaum MJ, et al. AMP kinase is required for mitochondrial biogenesis in skeletal muscle in response to chronic energy deprivation. Proc Natl Acad Sci USA. 2002 Dec 10;99(25):15983-7.

- Muller C, Gardemann A, Keilhoff G, Peter D, Wiswedel I, Schild L. Prevention of free fatty acid-induced lipid accumulation, oxidative stress, and cell death in primary hepatocyte cultures by a Gynostemma pentaphyllum extract. Phytomedicine. 2012 Mar 15;19(5):395-401.

- Huyen VT, Phan DV, Thang P, Hoa NK, Ostenson CG. Antidiabetic effect of Gynostemma pentaphyllum tea in randomly assigned type 2 diabetic patients. Horm Metab Res. 2010 May;42(5):353-7.

- Goto T, Teraminami A, Lee JY, et al. Tiliroside, a glycosidic flavonoid, ameliorates obesity-induced metabolic disorders via activation of adiponectin signaling followed by enhancement of fatty acid oxidation in liver and skeletal muscle in obese-diabetic mice. J Nutr Biochem. 2012 Jul;23(7):768-76.

- Goto T, Horita M, Nagai H, et al. Tiliroside, a glycosidic flavonoid, inhibits carbohydrate digestion and glucose absorption in the gastrointestinal tract. Mol Nutr Food Res. 2012 Mar;56(3):435-45.

- Yanovski JA, Krakoff J, Salaita CG, et al. Effects of metformin on body weight and body composition in obese insulin-resistant children: a randomized clinical trial. Diabetes. 2011 Feb;60(2):477-85.

-Calvani R, Joseph AM, Adhihetty PJ, Miccheli A, Bossola M, Leeuwenburgh C, Bernabei R, Marzetti E. Mitochondrial pathways in sarcopenia of aging and disuse muscle atrophy. Biol Chem. 2013 Mar;394(3):393-414.

- Mishra RN, Joshi D. Jiao gu lan (Gynostemma pentaphyllum): The Chinese rasayan-current research scenario. IJRPBS. 2011;2(4)1483-1502.





Artigo editado por James Robbins

Traduzido pelo Nutricionista Reinaldo José Ferreira CRN3 – 6141
reinaldonutri@gmail.com
www.suplementacaoesaude.blogspot.com.br


Fazendo uma viajem de volta ao tempo e parando no ano de 1800, teria sido difícil imaginar que as doenças bacterianas jamais deixariam de ser a principal causa de sofrimento e morte.
Mesmo médicos altamente qualificados da época gostariam de salientar que ninguém sabia o que causou a tuberculose, cólera, difteria e outras doenças infecciosas.
Ninguém poderia ter previsto o que aconteceu durante os 100 anos que se seguiram. Foi provado que as bactérias eram a causa por trás dessas epidemias assassinas e os antibióticos foram desenvolvidos para curar a maioria delas.
O século 20 foi caracterizado por avanços fantásticos na expectativa de vida e os fatores por trás da mortalidade humana mudaram de infecções bacterianas para doenças degenerativas.


Você está prestes a descobrir um novo método para contornar a principal causa subjacente de obesidade, declínio relacionado à idade e a diminuição da expectativa de vida.
Com uma abordagem atual, temos uma enorme vantagem sobre os nossos antepassados que morreram de doenças bacterianas. Nós já sabemos que muitas das causas subjacentes das doenças degenerativas e rapidamente estão se desenvolvendo tecnologias para contorná-las.
Nesta edição especial, estamos demonstrando uma enzima dentro de nossas células chamada AMPK (Adenosina Monofosfato Proteína Quinase). Na juventude, a AMPK é mais ativa e ajuda a proteger contra a obesidade e o diabetes.
À medida que envelhecemos, a ativação da AMPK celular diminui, o ganho de peso, muitas vezes acontece, e ficamos mais propensos a sucumbir aos fatores destrutivos do envelhecimento.


A AMPK é encontrada dentro de cada célula e serve como o "interruptor principal de regulação" do corpo. Ela determina a composição de gordura corporal e quanto tempo você vai viver.
Ao contrário das gerações anteriores, que se revolvia na ignorância médica, métodos documentados existem agora para ativar a AMPK e, no processo, reduzir o armazenamento de gordura corporal e proteger contra doenças degenerativas que são nossos principais temores atualmente.
Os cientistas visualizam a descoberta da AMPK como um grande avanço na forma como entendemos e combatemos o envelhecimento. Reativando a AMPK celular, passamos tentadoramente perto de obter controle significativo sobre os processos de envelhecimento, como o ganho de peso excessivo, que nos predispõem a tantas doenças degenerativas.
Este artigo irá explicar o significado da AMPK em doenças relacionadas com a idade e revelar várias maneiras comprovadas para aumentar a ativação dessa enzima na promoção da juventude.



 Porque os Níveis de AMPK Diminuem ?


A maioria dos humanos sofre atualmente de sobrecarga nutricional crônica. Quando isso acontece, as funções vitais podem ficar interrompidas, como a absorção adequada de glicose e gordura do nosso sangue para a regulação efetiva de energia.
Em resposta ao excesso de consumo de calorias, o trabalho de limpeza celular diminui, resultando no acúmulo de resíduos celulares e proteínas danificadas. A ingestão abundante de alimento prejudica os benéficos genes da longevidade que ao mesmo tempo contribuem para a dominância dos genes pró-inflamatórios.
Basta imaginar o que aconteceria se você nunca levantasse da cama e tivesse todas as refeições entregues a você.

No hospital, esta falta de mobilidade aumenta o risco de mortalidade. Suas células não são diferentes.
Quando as células são cronicamente super alimentadas, a atividade enzimática da AMPK de mobilizar a energia diminui. Os efeitos externos se manifestam sob a forma de ganho de peso indesejado, diabetes, doenças degenerativas, e morte prematura.
Poucas pessoas são capazes de comer uma baixa quantidade de calorias. Felizmente, os cientistas identificaram uma enzima celular chamada AMPK que, quando ativada, imita muitos dos efeitos benéficos observados na restrição de calorias, incluindo a perda do excesso de gordura corporal e aumento da longevidade.


 A AMPK Promove a Longevidade e Reduz o Acúmulo de Gordura?


A ciência da bioenergética está produzindo descobertas de mudanças de paradigma, incluindo o papel da AMPK na regulação das maneiras que nossos corpos usam e transformam a energia.
AMPK é o "interruptor" que é a ligação entre a doença metabólica, inflamação e longevidade. Este "interruptor" diz para nossas células quando armazenar e gerar moléculas contendo energia, como a gordura, e quando usar as reservas de energia existentes.
Quando ligado, a AMPK desencadeia a utilização da energia acumulada a partir de gorduras, aumenta a remoção de gorduras e glicose do sangue, aumenta a produção de mitocôndrias, reduzindo a inflamação e o lixo celular.


A restrição calórica e exercícios vigorosos ativam a AMPK, diminuindo as reservas de gordura do corpo (especialmente na região abdominal), redução dos níveis de glicose no sangue e lipídios, e produzir outros efeitos benéficos que retardam o processo de envelhecimento.
A droga metformina também ativa a AMPK, com resultados muito benéficos.
Um par de extratos botânicos naturais, mostraram ativar a AMPK, reduzir a gordura abdominal, colesterol, glicose no sangue e os níveis de insulina.
Em vez de combater as ameaças de longevidade usando várias drogas, a suplementação com plantas de ativação da AMPK pode resolver esses problemas na sua origem.
Fatores de risco induzidos pela idade podem ser combatidos de forma eficaz, aumentando a atividade da AMPK com Gynostemma pentaphyllum e trans-tiliroside da rosa mosqueta.



 Nosso Principal Interruptor Celular.


Uma grande parte da razão pela qual você está vivo neste momento é por causa das reações enzimáticas que ocorrem nos trilhões de células do seu corpo.
As células podem ser descritas como pequenos feixes de reações bioquímicas. As enzimas possibilitam frequentemente as reações bioquímicas nas células. As funções vitais que nossas células executam são dependentes da atividade de enzimas celulares.
Nos últimos 30 anos, os cientistas têm investigado as propriedades de uma enzima chamada AMPK, que é uma chave mestre que, de muitas maneiras, controla a forma como as nossas células se comportam.
Uma extensa pesquisa mostra que, aumentando a ativação da AMPK, podemos reduzir muitos dos factores destrutivos do envelhecimento, e assim, permitir que as células voltem para a sua vitalidade juvenil.


Em estudos pré-clínicos, a atividade da AMPK reforçada tem sido associada a um aumento de 20-30% no tempo de vida, mas isso é apenas o começo dos benefícios de saúde conferidos por esta crítica enzima celular.
O aumento da ativação da AMPK demonstrou ajudar a reduzir o armazenamento de gordura (especialmente a perigosa gordura abdominal), aumentar a sensibilidade à insulina (diminuição da glicose sanguínea), reduzir o colesterol / produção de triglicérides e suprimir a inflamação crônica.
Todos estes fatores contribuem para as doenças letais do envelhecimento.
Em um estudo com indivíduos obesos, os indivíduos perderam mais 2,5 centímetros na circunferência da cintura e 3,5 centímetros na circunferência do quadril usando um extrato botânico para elevar a atividade da AMPK.


 O que é a AMPK ?


A AMPK é encontrada em todas as células do nosso corpo. Ele serve como “chave geral de regulação” do corpo que nos defende de fatores degenerativos, revitalizando as células do envelhecimento.
AMPK está envolvida na redução de armazenamento de gordura, regulando a absorção de glicose, criando novas mitocôndrias, e eliminando o lixo celular que se acumula no interior das células durante o processo de envelhecimento.
A descoberta de como a AMPK regula os processos de envelhecimento precisou de décadas de estudo. A PubMed agora disponibiliza mais de 7,500 artigos publicados sobre diversos aspectos da AMPK.
Para aqueles que estão curiosos, a AMPK é a sigla para definir a enzima adenosina monofosfato proteína quinase.
Uma propriedade importante da AMPK é que ela induz vários fatores da longevidade, que foram mostrados por aumentar a resistência ao estresse e a longevidade em muitos organismos.


Um dos fatores que impulsionam a longevidade pela AMPK é a enzima SIRT1. SIRT1 opera por silenciar genes que codificam para as respostas não saudáveis ao estresse, incluindo a resposta inflamatória, o armazenamento de gordura em excesso, e a produção de nova gordura.
A atividade da SIRT1 também aumenta com a restrição calórica, a única maneira totalmente comprovada para aumentar a expectativa de vida em todos os modelos animais testados até à data, indicando ainda a importância da AMPK em ativar a SIRT1.
O Resveratrol encontrado no vinho tinto ajuda a ativar a SIRT1, mas a AMPK ativa a SIRT1 mais diretamente.



De muitas maneiras, a AMPK atua como um guarda de trânsito, que desloca de forma eficiente o excesso de gordura e glicose em nossas células para ser queimado para produzir energia.
Quando somos jovens, AMPK mantém nossas funções metabólicas funcionando sem problemas. Idealmente, nós somos magros e livres de doenças. Mas à medida que envelhecemos, a sinalização da AMPK diminui, podendo rapidamente levar a um acúmulo de excesso de glicose no sangue e da perigosa gordura.
Isso se transforma em uma combinação letal para muitos seres humanos no envelhecimento.
Com redução da sinalização da AMPK, uma série de condições prejudiciais começam a destruir um corpo previamente saudável, muitas vezes levando a uma morte precoce.
Estas condições prejudiciais incluem:

Aumento da gordura abdominal.
Inflamação crônica.
Glicose sanguínea elevada.
Resistência à insulina.
Aumento do colesterol e triglicérides.
Diminuição do número e função das mitocôndrias.
Aumento da acumulação de proteínas anormais ou danificados em nossas células que levam a neuro degeneração.

Diagnósticos da medicina convencional tratam cada uma das condições acima como uma doença separada que exige medicamentos distintos, quando, na verdade, eles estão todos associados com uma fonte: a diminuição da atividade da AMPK.
Outro impacto mortal de uma redução da ativação da AMPK é uma diminuição do número de mitocôndrias funcionais e o acúmulo de lixo celular, que eventualmente torna as células não funcionais.

Enquanto os cientistas continuam a desvendar os mistérios da AMPK, eles descobriram que muitos dos conhecidos fatores bioquímicos da longevidade (como SIRT1, Foxo, e p53) são ativados pela função normal da AMPK. Por exemplo, o p53 é um gene supressor de tumor que inibe a propagação celular descontrolada. Sem a AMPK, estes genes da longevidade não cumprem seus deveres; potencialmente resultando em morte prematura.
Felizmente, a pesquisa demonstra que quando a sinalização da AMPK é impulsionada, esses processos de deterioração são invertidos, restaurando num metabolismo mais jovem, prevenção de doenças crônicas relacionadas, e, potencialmente, acrescentando anos de vida útil e produtiva.


Como os investigadores continuam a desvendar os mistérios da AMPK, eles descobriram quatro maneiras de impulsionar a atividade da AMPK em nosso organismo:

Exercício: a atividade da AMPK aumenta com o exercício vigoroso regular. Este efeito benéfico do exercício na AMPK, no entanto, pode desaparecer nos idosos.

Restrição Calórica: Quando você come menos, você cria o aumento da atividade da AMPK, seria como se as células sentissem uma exigência para funcionar de forma mais eficiente na presença do consumo alimentar reduzido. No entanto, quando a ingestão alimentar normal é retomada, a atividade da AMPK declina.

Metformina: Um dos mecanismos mais benéficos da droga metformina é ativar a AMPK. Esta é uma forma que reduz a glicose elevada. Infelizmente, a maioria dos médicos só prescrevem a metformina para diabetes tipo II, tornando o acesso a esta droga difícil para a maioria das pessoas. Algumas pessoas também têm problemas digestivos em resposta a metformina e não podem usá-la.

Extractos botânicos: Dois agentes naturais (a erva chinesa Gynostemma pentaphyllum e trans-tiliroside derivado da rosa mosqueta) mostraram ativar a AMPK. Cada um destes agentes provoca diferentes benefícios metabólicos e, e em um estudo, a trans-tiliroside conduziu a um efeito ainda maior na redução da glicose do que a metformina (droga antidiabética de ativação na AMPK).
Com esses quatro métodos documentados de impulsionar a sinalização da AMPK, não há razão para o envelhecimento humano sofrer o impacto degenerativo causado pela perda de ativação da AMPK.


 Efeitos Benéficos na Restauração da AMPK.

Quando AMPK é aumentada, o corpo trabalha em alta velocidade e age com vitalidade juvenil. A AMPK ativada ajuda a remover o excesso de glicose e gorduras, queimá-los para a energia em vez de depositá-los no abdômen e em outros locais no corpo. Para suportar todo este aumento na queima de gordura, as células fabricam novas mitocôndrias em um processo conhecido como biogênese mitocondrial.
Estas mitocôndrias recém-criadas queimam o combustível de forma mais limpa e eficiente do que as mais velhas ou mitocôndrias mais desgastadas, resultando em uma produção de energia mais elevada para todo o corpo.
As células com a AMPK ativada são células geralmente limpas e mais saudáveis. Células velhas com a atividade da AMPK reduzida tendem a ficar obstruídas com restos celulares; o que reduz sua eficiência e seu tempo de vida útil.

Estas células carregadas de sucata aceleraram o processo de envelhecimento e contribuem para doenças neurodegenerativas, como a doença de Alzheimer e de Parkinson, e para o espessamento e endurecimento de tecidos vitais por todo o corpo.
As células que foram energizadas pela AMPK esvaziam suas latas de lixo internas de proteínas danificadas e, em seguida, convertem essas proteínas danificadas para reciclagem, transformando-as em proteínas saudáveis novamente. O resultado da reativação da AMPK é reforçado pela atividade celular eficiente. Por fim, o aumento da ativação da AMPK pode suprimir reações inflamatórias em todo o corpo, tais como os produzidos pelo excesso de gordura na região da cintura.

Ao longo dos últimos anos, a pesquisa mostrou que é possível revitalizar a AMPK para os níveis da juventude. Até à data, os estudos têm mostrado que o aumento da ativação da AMPK está associado com:

Aumento da longevidade por um período entre 20 e 30% em animais.
Melhoria da captação de glicose nas células, redução da glicose no sangue.
Inibição da síntese de gordura em excesso e aumento da queima de gordura armazenada.
Redução de triglicerídeos no sangue.
Diminuição do acúmulo de gordura no fígado e inflamação crônica relacionada a gordura.
Aumento do número de novas mitocôndrias saudáveis.



 Efeitos na Diminuição de Gordura de uma Planta Ativadora da AMPK.


Gynostemma pentaphyllum é uma planta distantemente relacionada com o pepino.
Na medicina tradicional asiática, ela é usada para promover a longevidade.
Os cientistas atuais descobriram por que os médicos asiáticos prescreviam G. pentaphyllum para tratar de questões de saúde relacionadas com a idade: Ela promove a ativação da AMPK.
G. pentaphyllum não só ativa a AMPK, mas também transporta excesso de gorduras para a mitocôndria para ser utilizada para energia e eliminação segura.
O resultado é a produção de energia eficiente e uma forte redução no armazenamento de gordura desnecessária.
Os resultados da G. pentaphyllum em induzir a ativação da AMPK incluem o aumento da queima de gordura, bem como um aumento na captação de glicose celular.


O extrato de G. pentaphyllum possui outras propriedades benéficas, bem como, a capacidade de prolongar a vida celular em face de tensões induzidas por oxidação, acúmulo de gordura, e diabetes.
Quando os cientistas começaram a explorar os benefícios de G. pentaphyllum para ativação da AMPK, eles se voltaram para estudos com animais. O que eles descobriram foi que extratos de folhas de G. pentaphyllum ativam a AMPK, resultando em menor ganho de peso e acúmulo de gordura.
Em um estudo pré-clínico, ratos obesos suplementados com G. pentaphyllum mostraram quedas impressionantes nos marcadores associados à obesidade e suas doenças relacionadas. Em apenas oito semanas, os seguintes resultados foram observados em resposta a G. pentaphyllum:

Uma diminuição de 8,1% no ganho de peso corporal.
Redução de 10,3% de gordura profunda.
Redução de 15,5% na gordura abdominal superficial.
Redução de 18,8% no peso corporal.
Redução de 14,2% nos níveis de colesterol no sangue.

Da mesma forma, ratos obesos suplementados por apenas quatro dias com extratos de G.pentaphyllum mostraram, em comparação com os controles:

33% de redução nos triglicerídeos.
13% de redução no colesterol total.
33% de redução no colesterol LDL (“ruim”).
20% de redução nos níveis de glicose após a refeição.

Experimentos em cultura de células com extrato de G. pentaphyllum também demonstraram:
Um aumento de mais de 2 vezes na queima de gordura, um aumento de 1,7 vezes na captação de glucose celular.
Em outro estudo, desta vez usando ratos diabéticos, com três semanas de suplementação usando G. pentaphyllum resultou numa melhor tolerância à glicose em 35% e reduziu a nova produção de glicose no fígado em 29%, com uma redução do glicogênio no fígado, a forma de armazenamento de glicose.
Estes resultados mostram o enorme impacto benéfico da redução de glicose e gorduras que circulam em resposta a ativação da AMPK pela G. pentaphyllum.
Estudos em humanos confirmaram o que muitos dos pesquisadores tinham encontrado no laboratório: G. pentaphyllum aumenta a atividade da AMPK e oferece benefícios importantes de longevidade.
Em um estudo com humanos convincente, os diabéticos tipo 2 que não estavam usando medicamentos para diabetes tomaram um chá feito com G. pentaphyllum. Os resultados comparados aos controles foram:

Uma redução de 5 vezes na glicemia de jejum.
Uma redução de 10 vezes na hemoglobina A1c, que mostra os níveis de exposição crônica a glicose.
Uma redução de 3 vezes na resistência à insulina.
Isenção dos episódios de hipoglicemia, o que pode muitas vezes pode ocorrer com drogas orais para o diabetes (especialmente as sulfoniluréias).

Em outro estudo em humanos, aqueles suplementados com G. pentaphyllum reforçaram significativamente os efeitos de uma droga antidiabética (sulfoniluréia), produzindo uma redução adicional da glicose em jejum de 52,2 mg / dl em comparação com apenas 16,2 mg / dL para o fármaco sozinho.
Mas talvez o dado mais impressionante venha de um estudo de pessoas com sobrepeso e obesos sem doença ativa que usaram um placebo ou 450 mg por dia de um extrato concentrado de G. pentaphyllum, durante 12 semanas.
Em comparação à linha de base, o grupo suplementado mostrou significativa:

Redução da área de gordura abdominal total de 3,24 centímetros quadrados, enquanto o grupo placebo só obteve uma redução de 0,44 centímetros quadrados.
Redução na área de gordura da barriga de 1,81 centímetros quadrados em pacientes suplementados, enquanto o grupo placebo perdeu apenas 0,45 centímetros quadrados.

Indivíduos suplementados com G. pentaphyllum mostraram uma perda de mais de 2,5 centímetros de circunferência abdominal, e mais de 1 centímetro na circunferência do quadril, sendo que ambos são fatores de risco para a inflamação devido ao acúmulo de gordura que pode levar ao câncer, doença cardiovascular e doença metabólica.
Nenhum desses achados deve ser surpreendente, pois a Metformina, muito usada pelos diabéticos, e uma ativadora da AMPK, produz muitos desses mesmos benefícios.


 Efeitos na Ativação da AMPK do Trans-Tiliroside (Rosa Mosqueta).



O segundo composto natural encontrado para aumentar a atividade da AMPK é o trans- tiliroside, extraído de plantas, tais como a rosa mosqueta.
O Trans-tiliroside também aumenta a sinalização da AMPK, mas ele dispara diferentes benefícios metabólicos, além do que G. pentaphyllum.
Combinando estes dois extratos bioativos (G. pentaphyllum e trans-tiliroside), conseguimos fornecer amplos efeitos na ativação da AMPK do que cada um separadamente.
Os cientistas estão descobrindo que o trans-tiliroside aumenta o transportador GLUT4 em membranas celulares, o que ajuda a puxar o excesso de glicose do sangue para as células, onde é queimado para produzir energia, reduzindo assim a glicose circulante no sangue.
Em estudos com animais, a suplementação de trans-tiliroside reduz significativamente os perigosos picos de glicose após a refeição e ao mesmo tempo, suprimindo picos de insulina.
Um estudo de laboratório em células de fígado humano insulino-resistentes, descobriu que o trans-tiliroside impulsiona o consumo de glicose celular de um modo que, possa ser comparado favoravelmente com metformina, um fármaco antidiabético amplamente utilizado.

Não surpreendentemente, em modelos de ratos com diabetes, a administração oral diária de trans-tiliroside reduziu a glicose no sangue em jejum em até cerca de 30% após 15 dias de tratamento, enquanto os ratos diabéticos tratados com metformina tiveram uma redução próxima de 23%.
Animais suplementados também tiveram reduções significativas nos níveis séricos de triglicérides e colesterol total, enquanto obtiveram também aumentos benéficos nos níveis de colesterol HDL.
E em ratos obesos diabéticos, a suplementação com trans-tiliroside aumento da queima de gordura, diminuição da insulina plasmática, baixou ácidos graxos livres, e baixou triglicérides, enquanto aumenta os níveis de adiponectina, um hormônio que regula a glicose e quebra a gordura.
Por outro lado, a suplementação oral de trans-tiliroside em ratos durante duas semanas com a dose humana equivalente de 56 mg / dia reduziram significativamente os níveis de glicose no plasma.


Juntamente com a redução do perigo do excesso de glicose no sangue, o trans-tiliroside mostrou ser eficaz contra a obesidade, especialmente por redução da gordura celular. Em um experimento de laboratório, o trans-tiliroside inibiu o acúmulo de gordura celular em até 75%.
Este estudo também demonstrou uma redução no colesterol plasmático e um npivel mais baixo de LDL para HDL (o que significa que os níveis de HDL benéfico aumentou em relação ao LDL aterogênico).
Outro estudo mostrou que o extrato de rosa mosqueta impediu a obesidade em ratos magros com uma dieta rica em gordura e reverteu o ganho de peso e o aumento da massa de gordura corporal em camundongos obesos usando a mesma dieta.
Os níveis basais de glicose e insulina foram reduzidos e a tolerância à glicose
foi melhorada.
Uma manifestação adicional de ativação da AMPK resultou numa redução de reservas de gordura no fígado, o resultado da produção reduzida de gordura.
Ainda mais impressionante, os estudos mostraram agora que o trans-tiliroside pode inibir significativamente a acumulação de gordura visceral e ganho de peso corporal em ratos após a suplementação com apenas duas semanas, sem qualquer mudança na ingestão de alimentos com a dose humana equivalente de 56 mg / dia .
De fato, os ratos alimentados com o extrato de rosa mosqueta (1% de trans-tiliroside) consumindo uma dieta rica em gordura, mostraram os seguintes benefícios em comparação com os controles:

Redução de 23,3% no aumento de peso corporal.
Redução de 26,6% na gordura abdominal.
Redução de 21,1% no peso do fígado, resultante da diminuição de gordura hepática.

 Os Ativadores da AMPK podem ser Benéficos na Diminuição de Peso Corporal ?


Quando AMPK é ativada, as células entram em um modo de sobrevivência, não armazenando nenhuma gordura, enquanto queimam a gordura disponível, bombeamento glicose do sangue para as células, proporcionando energia adicional e construindo novas mitocôndrias para o uso mais eficiente de energia e reciclagem de proteínas danificadas ou disfuncionais. Estes são todos os mecanismos benéficos antienvelhecimento.
Os efeitos líquidos da ativação da AMPK de perto se assemelham aos da restrição calórica e exercícios vigorosos. Isso porque tanto a restrição de calorias e os exercícios vigorosos ativam a AMPK em resposta às necessidades de energia que excedem a oferta. A droga metformina ativa independentemente a AMPK, produzindo benefícios semelhantes, que incluem redução de depósitos de gordura na região abdominal, perda de peso em geral, e as reduções de glicose no sangue e dos níveis de gordura.



Os extratos de G. pentaphyllum e trans-tiliroside induziram profundos efeitos de perda de peso em estudos controlados. A questão é o quanto eles irão trabalhar em cenários do mundo real, onde os indivíduos com excesso de peso frequentemente consomem um grande excesso de calorias que nenhuma droga, hormônio ou suplemento pode induzir a perda de gordura significativa.
A resposta para a questão dos benefícios da perda de peso de ativadores da AMPK pode ser uma analogia para pacientes com câncer que tomam medidas agressivas para aumentar a função imunológica. Restaurar o estado imunológico ideal por si só não vai curar a maioria dos tumores malignos, mas não abordar deficiências imunes coloca os pacientes com câncer em riscos significativamente maiores de morrer.
Da mesma forma, nós suspeitamos que a G. pentaphyllum e a trans-tiliroside por si só não irão permitir que as pessoas com excesso de peso possam perde-lo significativamente para voltar ao peso ideal. Mas se alguém é sério sobre a eliminação do excesso de gordura corporal, e se não adotarem medidas para reativar sua AMPK celular, pode ser menos provável que eles sejam capazes de alcançar seus objetivos de perda de gordura.
Em resposta ao envelhecimento, o exercício vigoroso pode não induzir um efeito na ativação da AMPK, e a maioria das pessoas não são capazes de restringir de forma consistente a sua ingestão calórica. É claro que aqueles que pretendem eliminar o excesso de gordura (especialmente no abdômen) devem tomar medidas para ativar sua AMPK, para que possam ajudar o corpo a restaurar a jovem atividade enzimática necessária para ajudar a gerenciar com segurança o peso corporal.



 O que a História nos Ensinou.


Em 1796, Edward Jenner demonstrou que a inoculação utilizando líquido de lesões de varíola bovina poderia evitar com segurança a varíola. Esta pesquisa foi inicialmente rejeitada, mas por volta de 1840, o governo britânico forneceu gratuitamente a vacina de Jenner contra a varíola gratuitamente. O que poucas pessoas sabem é que 700 anos antes da descoberta de Jenner, os chineses desenvolveram uma forma grosseira de inoculação. No entanto, ninguém na Europa prestou atenção, apesar dos surtos de varíola generalizados que assolaram todas as classes sociais.
Ainda mais surpreendente são os 300 milhões de pessoas que morreram de varíola no século 20 por causa do atraso na implementação universal da vacinação contra a varíola.
Quando Edward Jenner descobriu a vacina contra a varíola, ninguém sabia que existia o vírus. Eles só observaram que os inoculados com sua vacina eram imunes a varíola.

Gynostemma pentaphyllum foi descrita pela primeira vez em um livro de medicina chinesa em 1406.
Médicos nos séculos seguintes descobriram os benefícios múltiplos de combate a doença veiculados a esta erva, mas não tinham ideia de como funcionava no corpo.
Naquela época, ninguém sabia sobre a glicemia e certamente nada poderia ser entendido sobre algo tão sofisticado quanto a AMPK.
Tudo que os médicos podiam fazer no começo da história era observar os efeitos benéficos que ocorreram quando os pacientes foram tratados com Gynostemma pentaphyllum.
Hoje sabemos que o declínio da atividade da AMPK predispõe os seres humanos para doenças degenerativas, e sabemos de métodos validados para aumentar acentuadamente a sinalização da AMPK. Uma abordagem de baixo custo para a ativação da AMPK é tomar 450 mg de extrato padronizado de Gynostemma pentaphyllum por dia, mais 56 mg de Trans-tiliroside para garantir ótimos resultados. (Esse baixo custo seria uma realidade para os EUA e não para o Brasil.)



 Sumário.


A ativação da AMPK representa um grande avanço em nossa capacidade de combater a doença degenerativa e obesidade. A AMPK está agora a ser estudada intensamente na prevenção e tratamento de muitas desordens relacionadas com a idade.
Quando a AMPK é ativada, as células diminuem a produção e armazenamento de nova gordura e queimam a gordura corporal armazenada. Além disso, os resultados da ativação da AMPK na glucose a ser bombeado do sangue para as células, resultando em energia adicional. A Biogênese mitocondrial ocorre, levando a um uso mais eficiente de energia, enquanto os restos celulares e proteínas disfuncionais são removidos.
Os efeitos líquidos da ativação da AMPK de perto se assemelham aos da restrição calórica e exercícios vigorosos. Isso ocorre porque tanto a restrição de calorias e exercícios vigorosos ativam a AMPK em resposta às necessidades de energia que excedem a oferta. (Exercício não pode aumentar a AMPK em indivíduos idosos.)
Gynostemma pentaphyllum e trans-tiliroside, dois extratos de origem natural, aumentam exclusivamente a ativação da AMPK, sem drogas, severa restrição de calorias, ou exercício. Estudos mostram que estes suplementos reduzem significativamente o risco do acúmulo de gordura abdominal, promovem a perda de peso, normalizam a glicose no sangue, melhoram a resistência à insulina, e diminuem os níveis de lipídeos séricos.


Ao olhar para o gráfico nesta página, pode-se ver que a expectativa de vida humana mais que dobrou desde os anos de fundação do nosso país; passando de 36 anos no ano de 1800, para 78,5 anos em 2011.


O que é encorajador é que estas médias incluem pessoas que não cuidam de si mesmos (incluindo tabagistas e aqueles que comem uma dieta pouco saudável). Isto significa que os indivíduos que seguem estilos de vida mais saudáveis, o que inclui a tomada de medidas para ativar a AMPK, podem acrescentar anos muitos mais saudáveis para seu projeto de aumentar sua expectativa de vida.
De acordo com os dados mais recentes, um homem que atinge a idade de 65, hoje pode esperar viver em média até seus 84,3 anos. As mulheres podem esperar viver até seus 86,6 se fizerem isso com a idade 65. Uma em cada quatro pessoas de 65 anos vai viver e ultrapassar os 90 anos.
A ativação da enzima AMPK é um componente crítico na defesa contra doença degenerativa. Como indicado no início deste artigo, as funções vitais são dependentes da atividade celular das enzimas.
Através da ativação da AMPK celular, nós fornecemos ao nosso corpo a oportunidade de reverter o declínio físico e mental associado ao envelhecimento, poupando tempo para tirar vantagem de futuras descobertas de longevidade que marcadamente irão estender a expectativa de vida dos seres humanos.




Nota do Nutricionista:

A enzima AMPK possui um efeito muito forte no aumento da expectativa de vida e no controle e diminuição de doenças degenerativas.
Com o simples uso de extratos naturais de plantas ou mesmo a droga antidiabética Metformina; conseguimos obter a ativação da AMPK.
Além disso, ainda podemos conseguir um melhor controle do peso e uma diminuição acentuada da gordura corporal.
Sem dúvida uma descoberta fantástica.










2 comentários:

  1. Foi muito bom ter tomado conhecimento do AMPK e ainda mais num artigo tão bem traduzido/ escrito, por autoridade no assunto.
    Qualquer dieta hoje que não contemple o AMPK está defasada por certo.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir