quarta-feira, 29 de julho de 2015

Tiamina // Benfotiamina (Vitamina B1) - Nutriente em Foco.

Tiamina //Benfotiamina (Vitamina B1) – Nutriente em Foco.



- Alaei Shahmiri F, et al. Eur J Nutr. 2013 May 29. [Epub ahead of print.]

- Karachalias N, et al. Biochem Soc Trans. 2003 Dec;31(Pt 6):1423-5.

- Rabbani N, et al. Diabetologia. 2009 Feb;52(2):208-12.

- Zhang G, et al. J Nutr. 2012 Nov 21. [Epub ahead of print.]

- Al-Attas O, et al. Clin Med Insights Endocrinol Diabetes. 2014;7:1-6.

- Stracke H, Hammes HP, Werkmann D, et al. Efficacy of benfotiamine versus thiamine on function and glycation products of peripheral nerves in diabetic rats. Exp Clin Endocrinol Diabetes. 2001;109(6):330-6.

- Hammes HP, Du X, Edelstein D, et al. Benfotiamine blocks three major pathways of hyperglycemic damage and prevents experimental diabetic retinopathy. Nat Med. 2003 Mar;9(3):294-9.

- Babaei-Jadidi R, Karachalias N, Ahmed N, Battah S, Thornalley PJ. Prevention of incipient diabetic nephropathy by high-dose thiamine and benfotiamine. Diabetes. 2003 Aug;52(8):2110-20.

- Beltramo E, Berrone E, Buttiglieri S, Porta M. Thiamine and benfotiamine prevent increased apoptosis in endothelial cells and pericytes cultured in high glucose. Diabetes Metab Res Rev. 2004 Jul;20(4):330-6.

- Thomas MC, Baynes JW, Thorpe SR, Cooper ME. The role of AGEs and AGE inhibitors in diabetic cardiovascular disease. Curr Drug Targets. 2005 Jun;6(4):453-74.

- Sadekov RA, Danilov AB, Vein AM. Diabetic polyneuropathy treatment by milgamma-100 preparation. Zh Nevrol Psikhiatr Im SS Korsakova. 1998;98(9):30-2.

- Kolomoiskaia MB, Degonskii AI, Grishina RA. The myocardial contractile function and central hemodynamics of patients with insulin-dependent diabetes mellitus during treatment. Probl Endokrinol (Mosk). 1989 Jul;35(4):12-5.

- Stirban A, Negrean M, Stratmann B, et al. Benfotiamine prevents macro- and microvascular endothelial dysfunction and oxidative stress following a meal rich in advanced glycation end products in individuals with type 2 diabetes. Diabetes Care.
2006 Sep;29(9):2064-71.

- Marchetti V, Menghini R, Rizza S, et al. Benfotiamine counteracts glucose toxicity effects on endothelial progenitor cell differentiation via Akt/FoxO signaling. Diabetes. 2006 Aug;55(8):2231-7.

- Lonsdale D. A review of the biochemistry, metabolism and clinical benefits of thiamin(e) and its derivatives. Evid Based Complement Alternat Med. 2006 Mar;3(1):49-59.





Artigo editado por Kimberly Day e Dale Kiefer.


Traduzido pelo Nutricionista Reinaldo José Ferreira CRN3 – 6141
reinaldonutri@gmail.com
www.suplementacaoesaude.blogspot.com.br



As vitaminas do complexo B são, na verdade, um grupo de 11 nutrientes solúveis em água separadas desta maneira: B-1 (tiamina), B-2 (riboflavina), B-3 (niacina), B-5 (ácido pantotênico), B-6, B- 12, biotina, ácido fólico, ácido para-aminobenzóico (PABA), colina e inositol.
Hoje vamos destacar apenas um desses, a tiamina.
A tiamina (vitamina B1) é necessária para a saúde do cérebro e do sistema nervoso, ajudando o humor, a função mental e produção de energia. Ela também suporta a saúde do coração e é necessária para metabolizar o álcool em produtos não tóxicos.
Recentemente, uma forma altamente absorvível da tiamina solúvel em gordura ou benfotiamina, tem sido o centro das atenções.
A Benfotiamina foi originalmente descoberta em 1950 pelo Dr. Fujiwara no Japão. Ele estava usando alho para encontrar uma forma duradoura de vitamina B1 para ajudar com a dor nos nervos.
A Benfotiamina tem sido utilizada na Europa há décadas para ajudar a retardar a progressão das complicações diabéticas, tais como retinopatia diabética, bem como danos nos nervos e renais. Ela é capaz de fazer isso estimulando a produção de uma enzima chamada transcetolase, que muda subprodutos tóxicos de glicose-AGEs (Produtos Avançados de Glicação), em produtos finais de glicação e compostos benignos que são então excretados naturalmente pelo corpo.
Boas fontes alimentares de tiamina incluem a truta, carne de porco, ovos, batatas, legumes, sementes de girassol, alho, ervilhas e aspargos.


 Condições Apoiadas pela Tiamina:

Glicose sanguínea
Depressão
Saúde Cardíaca
Suporte a Visão



 Glicose Sanguínea:

Em maio de 2013, o European Journal of Nutrition relatou que a suplementação de tiamina melhorou a tolerância à glicose em indivíduos com hiperglicemia.
Doze indivíduos com glicose elevada no sangue receberam 100 mg de tiamina (vitamina B1) três vezes por dia ou placebo durante seis semanas. Os pesquisadores mediram a glicemia e insulina de duas horas, pós-prandial (depois de comer), glicemia e insulina de jejum, função renal, estado de tiamina e calcularam o modelo de avaliação hemostático de resistência à insulina (HOMA-IR); uma medida de resistência à insulina, no início do estudo e após cada intervenção de seis semanas.
Os investigadores determinaram que a suplementação de tiamina reduziu significativamente a glicose no plasma de duas horas, em comparação com os níveis no início do estudo. A suplementação com placebo resultou num aumento de glicose e insulina no plasma em jejum e o teste de HOMA-IR, em comparação com os níveis no início do estudo. Os investigadores não encontraram qualquer alteração na função renal ou insulina plasmática de duas horas.
Os investigadores concluíram, "A suplementação com tiamina em altas doses pode impedir a deterioração da glicemia de jejum e insulina, e melhorar a tolerância à glicose em pacientes com hiperglicemia. A suplementação de Tiamina em altas doses pode prevenir ou retardar a progressão da hiperglicemia para o diabetes mellitus em indivíduos com a regulação da glicose prejudicada. "


Em um estudo animal publicado em 2003, os investigadores testaram os efeitos da tiamina e da benfotiamina em ratos que tinham sido induzidos ao diabetes.


A acumulação de AGEs resultou no desenvolvimento de nefropatia, retinopatia e neuropatia periférica. Os pesquisadores descobriram que, "terapia de alta dose de tiamina e com Benfotiamina suprime a acumulação de AGEs, e é uma nova abordagem para prevenir o desenvolvimento de complicações diabéticas."
Por fim, em um estudo duplo-cego, controlado por placebo publicado em 2009 na revista Diabetologia, os investigadores analisaram o efeito da tiamina na doença renal, uma complicação comum na diabetes. Os pesquisadores dividiram aleatoriamente 40 pessoas com diabetes tipo 2 em dois grupos, que também tinham microalbuminúria; ou presença de albumina na urina, que é um sintoma precoce de doença renal. Um grupo recebeu 100 mg de tiamina, três vezes por dia durante três meses, enquanto o outro grupo recebeu um placebo.
Os pesquisadores testaram a excreção urinária de albumina, bem como outros marcadores de doença vascular do rim; no início e no fim do estudo. Eles descobriram que as pessoas que tomam tiamina apresentaram uma diminuição de 41 por cento na excreção urinária de albumina. Melhor ainda, 35 por cento dos que tomaram a vitamina tinham excreção de albumina completamente normal, ou seja, a microalbuminúria desapareceu completamente.



 Depressão:

A diminuição das concentrações de biomarcadores de tiamina foram associados a sintomas depressivos em adultos mais velhos, de acordo com um estudo publicado em novembro de 2012.
Os indivíduos incluídos eram 1.587 adultos entre 50 e 70 anos de idade. Os pesquisadores avaliaram o status de tiamina usando concentrações de glóbulos vermelhos de três formas diferentes de vitamina B1: tiamina livre, monofosfato de tiamina e difosfato de tiamina.
Os investigadores avaliaram os sintomas depressivos nos indivíduos, e definiu a presença de sintomas como um centro para Epidemiological Studies Depression Scale pontuação de 16 ou superior.
Os investigadores determinaram que a presença de sintomas depressivos foi encontrada em mais do que 11 por cento dos indivíduos. A concentração média de tiamina livre nas células vermelhas do sangue foi de 3,73, o monofosfato de tiamina foi de 3,74 e a tiamina difosfato foi 169. Os investigadores mostraram que as concentrações mais baixas de todos os três biomarcadores de tiamina, foram associadas com uma maior prevalência de sintomas depressivos.


Mais especificamente, os indivíduos com a menor concentração de tiamina livre tiveram quase três vezes a probabilidade de ter sintomas depressivos em comparação com os indivíduos com os níveis mais altos. Da mesma forma, os indivíduos com a menor taxa de tiamina monofosfato tiveram 3,46 vezes maior probabilidade de sintomas depressivos em comparação com os indivíduos com os níveis mais altos e os indivíduos com a menor taxa de tiamina difosfato tinham quase duas vezes maior probabilidade de sintomas depressivos.
Os pesquisadores relataram, “Em conclusão, o estado nutricional de deficiência de tiamina e maiores chances de sintomas depressivos, estava associado entre adultos mais velhos chineses. Esta constatação deve ser investigada em estudos prospectivos ou intervencionistas”.



 Saúde Cardíaca:

Um estudo publicado em janeiro 2014 relata que a suplementação de tiamina melhora os níveis de lipídios e marcadores da função renal em indivíduos com diabetes tipo 2.
Os 60 indivíduos com diabetes tipo 2 e 26 indivíduos sem diabetes pareados por idade e índice de massa corporal. Os sujeitos receberam 100 mg de tiamina (B1) por dia, durante seis meses. Os pesquisadores avaliaram rotineiramente perfis metabólicos, tiamina no soro e medidas corporais.
Os pesquisadores descobriram que a suplementação de tiamina resultou em diminuição significativa os níveis de colesterol total, após três meses de suplementação. Além disso, os pesquisadores mostraram que a creatinina sérica, um marcador da função renal, melhorou significativamente com a suplementação de tiamina.
Os níveis de tiamina no sangue e na urina e seus derivados, também melhoraram. Entre os indivíduos com diabetes tipo 2, a suplementação de tiamina melhorou significativamente a lipoproteína de baixa densidade (LDL), o colesterol total, derivados de soro e urina de tiamina e a creatinina no soro.
Os investigadores concluíram, "A suplementação de tiamina é uma terapia adjuvante promissora para pacientes com diabetes mellitus tipo 2. Mais ensaios clínicos são necessários para determinar seu efeito protetor em complicações do diabetes mellitus tipo 2 ".



 Suporte para a Visão:


A Benfotiamine demonstrou apoiar a saúde dos olhos, particularmente a clareza da lente ou cristalino. Ela faz isso, em parte, mediante a proteção do sistema cardiovascular e nervoso de danos por radicais livres e danos de produtos de glicação (AGEs), e consequentemente, protegem o nervo e o fornecimento de sangue para a retina. Ela também aparece para ajudar a condições como a retinopatia, uma condição devastadora em que a retina decompõe-se progressivamente.



 Como usar a Tiamina:

A dosagem normalmente recomendada para tiamina é de 100-300 mg por dia, em doses únicas ou divididas.

Nota: Os antibióticos como a sulfa e a tetraciclina, podem interferir com a produção e a absorção das vitaminas do complexo B. Se estiver tomando estes medicamentos, poderá ser necessário aumentar a ingestão desses nutrientes. Tome vitaminas do complexo B durante o dia, em vez de à noite, como elas podem apresentar efeitos muito estimulantes.



 Benfotiamina e Diabetes:



Usada há décadas na Europa como um medicamento de prescrição, a benfotiamina melhora a progressão do nervo do diabético, rins e danos na retina, e alivia os sintomas dolorosos da neuropatia diabética. A neuropatia diabética dificulta aos nervos levar mensagens para o cérebro e também prejudica a função da microvasculatura (pequenos vasos sanguíneos) nas extremidades. O resultado deste dano patológico nos vasos sanguíneos é um doloroso entorpecimento ou formigamento nos pés e nas mãos; que pode eventualmente resultar em amputação das extremidades inferiores. A Benfotiamina atua através de um novo mecanismo, bloqueando as vias bioquímicas através do qual a elevada glicose no sangue danifica células por todo o corpo. Agora disponível como um suplemento dietético, a benfotiamina podem ajudar quem sofre de diabetes proteger seus nervos, rins, olhos, vasos sanguíneos, e coração. Efeitos multifacetados da Benfotiamina, na prevenção de complicações diabéticas perigosas; faz desse um suplemento essencial para as pessoas com níveis elevados de glicose no sangue.


 A Benfotiamina é Diferente de Drogas Convencionais para o Diabetes:


Medicamentos para diabetes estão entre os medicamentos mais amplamente prescritos no mercado hoje. Medicamentos atuais para diabetes tipo II procuram reduzir o acúmulo perigoso de excesso de glicose no sangue, seja aumentando a produção de insulina ou reforçando a sua eficácia. Benfotiamina é um dos tratamentos mais eficazes para a prevenção das complicações debilitantes da diabetes, mas ainda é negligenciado.
A Benfotiamina é uma irmã química do nutriente essencial tiamina (vitamina B1). A tiamina ajuda a converter gorduras e hidratos de carbono em glicose, uma forma de combustível para o corpo. Como tal, a tiamina é essencial para a regulação do metabolismo da glicose. No entanto, enquanto a tiamina é solúvel apenas em água, a benfotiamina é solúvel em gordura, uma característica que permite que a mesma entre nas células muito mais prontamente do que a tiamina e, assim, ajudar a prevenir a disfunção relacionada ao diabetes dentro das células. Esta biodisponibilidade melhorada faz a benfotiamina particularmente eficaz no tratamento de lesões de tecidos e órgãos ocasionada pela hiperglicemia.



 A Resposta Bioquímica da Benfotiamina a Glicose Elevada no Sangue:


Tratamentos para o diabetes que procuram aumentar a produção de insulina ou melhorar a resposta das células à insulina não fornecem proteção adequada contra as várias complicações da doença. Enquanto medicamentos para diabetes ajudam a resolver o problema dos níveis de glicose excessivamente altos no plasma, somente a benfotiamina reduz os níveis elevados de glicose intracelular e altera a resposta bioquímica do organismo para os produtos de degradação tóxicos do excesso de glicose. A Benfotiamina estimula a produção de transcetolase, uma enzima naturalmente benéfica que converte eficientemente estes produtos de decomposição da glicose potencialmente tóxicos em compostos inofensivos que possam ser eliminados com segurança pelo corpo. Numerosos estudos têm mostrado que a benfotiamina inibe três vias principais que levam à formação de substâncias tóxicas, tais como produtos finais de glicação avançada (AGEs) . Os AGEs têm sido implicados no desenvolvimento e progressão de numerosas desordens em diabéticos.


Essas incluem:
A doença cardiovascular, neuropatia diabética (desordens nervosas), (afetando a visão) retinopatia, doença vascular periférica (que afetam vasos sanguíneos das extremidades), nefropatia (doença renal).
Curiosamente, os danos associados com a idade para o sistema cardiovascular são também vistos no envelhecimento de adultos sem diabetes. De fato, o próprio envelhecimento é considerado um fator de risco para o desenvolvimento de disfunção cardíaca, devido ao acúmulo de AGE ao longo do tempo, mesmo em não diabéticos. Os AGEs atuam através de vários mecanismos para promover o dano vascular, formação de tecido cicatricial, e a inflamação. Infelizmente, este processo é apenas acelerado em diabéticos, o que sugere que mesmo não diabéticos podem se beneficiar da capacidade da benfotiamina em inibir a formação de produtos de glicação. Anos de uso como um medicamento de prescrição na Europa têm mostrado que a benfotiamina é segura e bem tolerada. Agora que ela está disponível nos Estados Unidos como um suplemento dietético, os pesquisadores estão voltando sua atenção para a benfotiamina e descobrindo evidências de que ela ajuda a compensar os perigos de inúmeras complicações da diabetes e da glicose elevada no sangue.



 A Benfotiamina Protege os Tecidos Delicados dos Nervos e do Cérebro:


O sistema nervoso pode sofrer de várias maneiras a partir dos efeitos prejudiciais da glicose elevada no sangue. Compondo o cérebro, medula espinhal e nervos periféricos, o sistema nervoso controla as funções dos músculos e órgãos, coordena pensamentos e ações, e transmite a informação sensorial. A Neuropatia, ou doença do sistema nervoso, é uma das complicações mais frequentes e dolorosas do diabetes. As características da neuropatia diabética incluem:
Danos nos nervos periféricos das extremidades, dor que pode não responde a analgésicos convencionais, dormência e sensação alterada afetam os membros, os nervos das extremidades pode apresentar mau funcionamento simultaneamente, causando polineuropatia.
Ensaios clínicos demonstraram que a benfotiamina alivia eficazmente a polineuropatia diabética. Um recente estudo aleatório, duplo-cego na Alemanha descobriu que os pacientes diabéticos com polineuropatia que suplementaram com 100 mg de benfotiamine quatro vezes ao dia por três semanas demonstraram uma melhoria estatisticamente significativa nos escores de função do nervo. Uma diminuição da dor era o efeito observado mais pronunciado. Os autores do estudo disseram que seus resultados suportam os resultados de dois ensaios anteriores randomizados controlados, que também encontraram evidências de efeitos benéficos da Benfotiamina em pacientes com neuropatia diabética.



O diabetes tem sido associado com o aumento do estresse oxidativo, um contribuinte para muitos processos de doenças relacionadas com a idade. O delicado tecido cerebral é especialmente susceptível aos efeitos prejudiciais do stress oxidativo. Como resultado, o diabetes é cada vez mais associado com o declínio cognitivo, incluindo a demência e doença de Alzheimer.
Um estudo recém divulgado indica que a benfotiamina pode proteger o cérebro contra o estresse oxidativo associado com o diabetes.
Os investigadores experimentalmente induziram o diabetes num grupo de sujeitos para teste. Após duas semanas da indução de glicose elevada no sangue, os indivíduos receberam duas semanas de suplementação com benfotiamina. A Benfotiamina aliviou o estresse oxidativo no cérebro que normalmente ocorre com o diabetes, levando a equipe de investigação a concluir que a benfotiamina pode evitar o estresse oxidativo cerebral induzido pelo diabetes através de um novo mecanismo.
Esta importante descoberta significa que a benfotiamina oferece proteção crítica para o sistema nervoso delicado protegendo os
nervos periféricos e o cérebro dos danos causados pelo diabetes.




 A Benfotiamina Otimiza a Função Endotelial e Vascular:


Em estudos clínicos ao redor do mundo, a benfotiamina tem repetidamente demonstrado efeitos notáveis na normalização da
função endotelial.
As células endoteliais forram o interior dos vasos sanguíneos. Estas células especializadas são comumente danificadas pela glicose elevada no sangue, decorrentes do diabetes. Quando os vasos sanguíneos não são capazes de relaxar e dilatar-se, em resposta ao aumento da demanda de fluxo sanguíneo, o resultado é a condição perigosa conhecida como disfunção endotelial. Acredita-se que a disfunção endotelial possa contribuir para a iniciação da aterosclerose e por ser a base em grande parte, dos danos associados com as complicações do diabetes, em particular a doença vascular periférica.
Doença vascular periférica ocorre quando o fluxo de sangue através das artérias dos braços e pernas é prejudicado.

Perigos de doença vascular periférica incluem:

O fluxo de sangue para as extremidades é prejudicado, o que pode ocasionar dores com simples caminhadas (claudicação intermitente).
Cortes e ferimentos nos pés que não cicatrizam.
Úlceras e gangrena nos pés e pernas que podem exigir até amputação.

Cientistas alemães investigaram recentemente a eficácia da benfotiamina no suporte da função endotelial saudável e fluxo sanguíneo periférico. No estudo, os pacientes diabéticos consumiram uma refeição com grandes quantidades de produtos finais de glicação avançada (AGEs), derivados de alimentos cozidos em altas temperaturas. AGEs são conhecidos por contribuir para a disfunção endotelial. Os participantes comiam a refeição rica em AGEs antes e após três dias de tratamento com a benfotiamina. Indicadores de função endotelial, estresse oxidativo, e AGEs foram medidos após uma noite de jejum nos dias de teste, e em duas, quatro e seis horas após as refeições de teste.

Sozinha a refeição rica em AGE produziu várias alterações prejudiciais, incluindo:

Significativa diminuição do fluxo sanguíneo para as extremidades.
Marcadores sanguíneos aumentados de disfunção endotelial.
Elevação do estresse oxidativo.
Maiores níveis de AGEs.

As alterações prejudiciais causados pela refeição rica em AGE só foram completamente evitadas com um suplemento de benfotiamine.
A Benfotiamina promoveu inúmeras melhorias, incluindo:

Fluxo sanguíneo reforçado nas extremidades.
Melhora da Função endotelial.
Diminuição do Estresse oxidativo.
Normalização dos níveis dos produtos de glicação (AGEs).


Este importante estudo alemão demonstra que os AGEs contribuem diretamente para diminuir muito a função vascular em diabéticos, e que o uso da benfotiamina previne a disfunção endotelial induzida por AGE, o fluxo sanguíneo danificado, e aumento do stress oxidativo.
Dois estudos recentes na Itália validam a capacidade da benfotiamina para suportar a função endotelial saudável, mesmo na presença de altos níveis de glicose no sangue. Equipes italianas de investigação independentes mostraram que, além de preservar as células endoteliais maduras que revestem os vasos sanguíneos, a benfotiamina também protege as células progenitoras endoteliais, ou células que se desenvolvem em células endoteliais. Estas
células progenitoras são cruciais para a reparação e manutenção do tecido endotelial saudável. Embora a hiperglicemia, ou glicose elevada no sangue, interfere com o desenvolvimento normal das células progenitoras, os cientistas italianos notaram que o desenvolvimento normal destas células pode ser restaurado através da administração de benfotiamina. Da mesma forma, a benfotiamina inibiu a morte das células progenitoras epiteliais humanas, que é causada por níveis elevados de glicose.
A capacidade da Benfotiamina para apoiar a saúde das células endoteliais pode ter implicações importantes para ajudar as pessoas a evitar a doença vascular periférica.


Os cientistas acreditam agora que a disfunção endotelial, que ocorre com a diabetes pode facilmente levar a doença vascular periférica diabética.
Pesquisadores japoneses descobriram que a doença arterial periférica, que afeta os vasos sanguíneos das pernas geralmente ocorre em conjunto com a disfunção endotelial. Como resultado, as pernas não recebem o fornecimento crítico de sangue e oxigênio de que necessitam para se manter saudáveis e funcionais. Além disso, os pacientes diabéticos com doença arterial periférica tem menos células progenitoras endoteliais circulando no sangue, que são necessárias para manter os vasos sanguíneos funcionando de forma otimizada, para que possam fornecer sangue para os membros.
Em um modelo de doença vascular periférica, a função endotelial melhorada pela benfotiamina, que restaurou a circulação para as pernas e o aumento de sangue e oxigênio para os tecidos. Isto é especialmente importante em manter os membros saudáveis e evitar a amputação, uma consequência muito comum da disfunção vascular. Além disso, a benfotiamina reduziu o déficit induzido pelo diabetes na quantidade de células progenitoras endoteliais; o que levou a melhores respostas de cura nas pernas de indivíduos diabéticos.



 A Benfotiamina Reduz o Risco de Doença Cardíaca:


Indivíduos com diabetes sofrem de um risco muito maior de doença cardíaca. A Benfotiamina pode desempenhar um papel importante nas estratégias para proteger a saúde do coração em pessoas com glicose elevada no sangue.
Um estudo recente, realizado por pesquisadores da Universidade de Wyoming verificou a capacidade da benfotiamina em evitar a doença cardíaca num modelo experimental de diabetes tipo II em humanos. Um grupo foi induzido ao diabetes, enquanto um segundo grupo de controle se manteve normal. Ambos os grupos receberam terapia com benfotiamina por duas semanas. Os cientistas, em seguida, examinaram nos dois grupos, tanto as células do coração, avaliando a sua capacidade de contrair e vários parâmetros bioquímicos.
Como esperado, o diabetes foi associado com o aumento do estresse oxidativo, que interferiu com a função muscular saudável do coração. O tratamento com benfotiamina aliviou muitas das alterações das células cardíacas causadas pelo diabetes, diminuindo o estresse oxidativo e restaurarando a função das células do coração. Os pesquisadores concluíram que a benfotiamine pode proteger as células do músculo do coração contra o disfunção associada com o diabetes.
A suplementação com benfotiamina pode, assim, ser crucial para a proteção do coração contra os efeitos prejudiciais do diabetes.



 A Benfotiamina Promove a Saúde Renal:


Doença renal, ou nefropatia, é uma das complicações mais temidas do diabetes. Quando a função renal se deteriora em pessoas com diabetes, os rins podem não ser capaz de realizar a sua tarefa crucial de filtrar o sangue. Como resultado, os diabéticos
com nefropatia avançada deve recorrer a diálise renal ou transplante renal. Doença do rim, também aumenta o risco de doença cardiovascular e mortalidade geral.
Em um estudo de 24 semanas, os cientistas examinaram os efeitos da benfotiamina e da tiamina em indivíduos com diabetes. Ambas as formas de vitamina B1 produziram alterações benéficas dos marcadores da função renal e saúde, incluindo:

Uma inibição de 70-80% no desenvolvimento de microalbuminúria, proteína na urina, que serve como um sinal precoce de disfunção renal.
Uma normalização da atividade da enzima associada com a proteção contra a doença renal.
Uma redução de 50% dos níveis de AGE nos rins.
Uma redução do estresse oxidativo associado com o diabetes (produzido pela benfotiamina mas não pela tiamina).

Os cientistas observaram que, enquanto ambos benfotiamina e tiamina, ajudam a evitar as complicações renais associadas ao
diabetes, a benfotiamina parece ser uma escolha superior devido à sua maior biodisponibilidade no organismo. Esta pesquisa indica que a benfotiamina e a tiamina podem ajudar pessoas com diabetes salvaguardar a saúde de seus rins e proteger contra as consequências devastadoras da nefropatia.

 Conclusão:


Os consumidores na América podem agora obter prontamente a benfotiamina como suplemento dietético. As pesquisas laboratoriais e estudos controlados confirmaram que a Benfotiamina alivia e pode mesmo inverter a neuropatia diabética, doença renal, insuficiência cardíaca, disfunção endotelial, doença vascular periférica, e a retinopatia diabética. Com a sua comprovada capacidade em
garantir apoio de amplo espectro para os vasos sanguíneos, nervos, rins, olhos e coração; a benfotiamina deve ser considerada um nutriente na primeira linha de defesa contra as consequências debilitantes do diabetes e da glicose elevada no sangue.



Nota do Nutricionista:

Novamente voltamos na importância dos micronutrientes para uma notável ajuda a pacientes diabéticos e mesmo para pessoas sadias.
A velha e conhecida Tiamina (B1), agora possui uma super aliada, a Benfotiamina; que proporciona efeitos muito benéficos aos diabéticos.
Essa força da tiamina e benfotiamina, deve ser usada pelos diabéticos para ajudar na prevenção de complicações cardíacas, nervosas, renais, vasculares e visuais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário