segunda-feira, 12 de outubro de 2015

Micronutrientes e Diabetes.

Micronutrientes e Diabetes.



Traduzido pelo Nutricionista Reinaldo José Ferreira CRN3 – 6141
reinaldonutri@gmail.com
www.suplementacaoesaude.blogspot.com.br



Diabetes mellitus é uma desordem endócrina caracterizada pela insuficiência de insulina (diabetes tipo 1) ou resistência à insulina (diabetes tipo 2) e os níveis de glicose no sangue cronicamente elevados. Doenças vasculares (angiopatias diabéticas) desempenham um papel decisivo no curso da doença. Os diabéticos são mais propensos a sofrer um ataque cardíaco ou acidente vascular cerebral (microangiopatia), e quase todos os doentes são afetados por danos aos pequenos vasos sanguíneos (microangiopatia), os olhos (retinopatia), rins (nefropatia) ou nervos (neuropatia). O estado metabólico de diabéticos é caracterizado por estresse oxidativo permanente devido ao desequilíbrio no metabolismo dos carboidratos e lipídico. A precoce e sustentada ingestão suficiente de micronutrientes antioxidantes que regulam o metabolismo de hidratos de carbono é, por conseguinte, particularmente importante na prevenção do diabetes.


Devido ao elevado nível de stress oxidativo, disfunção mitocondrial e inflamação dos vasos sanguíneos, pode haver uma maior necessidade de micronutrientes na existência de uma desordem diabética. Um fornecimento deficiente de nutrientes pode exacerbar a situação. O consumo de micronutrientes direcionados pode ajudar a melhorar o controle metabólico, otimizar o tratamento e reduzir o risco de desenvolvimento de complicações diabéticas. A chave para isso é uma ingestão adequada de vitaminas do complexo B, que protegem as células nervosas, as vitaminas C e E, que podem ajudar a prevenir danos vasculares, o magnésio, que promove o metabolismo normal da glicose. Além disso, as propriedades hipolipidêmicas e antitrombóticas dos ácidos graxos ômega-3 e os elementos traços que melhoram a sensibilidade à insulina podem ser benéficos na prevenção primária e secundária.




Abaixo vamos comentar as ações desses nutrientes:

Vitaminas do complexo B
Vitaminas C e E
Vitamina D
Ômega-3
Coenzima Q10
Magnésio
Elementos Traço (ou Minerais Traço)



 Vitaminas do Complexo B:


Como coenzimas, as vitaminas B desempenham um papel central no metabolismo dos hidratos de carbono, proteínas e lipídios. Um estado metabólico diabético é caracterizado por ambos os requisitos mais elevados e um aumento da eliminação renal de vitaminas B, especialmente quando a diabetes não é bem gerida. Estudos indicam que a maioria do tipo 1 e tipo 2 de diabéticos têm suprimentos inadequados de vitamina B1 tiamina e metabolismo prejudicado. Uma deficiência de vitamina B1 específica do tecido (por exemplo, nos rins) pode aumentar o risco de complicações vasculares (por exemplo, nefropatia), e assegurar uma provisão suficiente deve ser um foco da terapia. Além disso, a vitamina B1 bem como as vitaminas B6 e B12; suporta funções do sistema nervoso e ajuda a evitar neuropatias diabéticas. O precursor solúvel em gordura de vitamina B1 (benfotiamine) é utilizado, por vezes em combinação com o ácido alfa-lipóico, para o tratamento de neuropatias diabéticas. Neste contexto, uma fonte de energia melhorada para o transporte axonal e o aumento da síntese de proteínas de transporte estão a ser discutidos como potenciais mecanismos envolvidos na regeneração das células nervosas. Além disso, a benfotiamina e a vitamina B6 inibem o aumento da glicosilação de proteínas associadas com níveis elevados de glicose no sangue. Em estudos com pacientes que sofrem de uma disfunção relacionada com o diabetes do sistema nervoso periférico (polineuropatia), a suplementação com benfotiamina melhorou significativamente os sintomas de sensação de dor, a velocidade de condução do nervo e sensação de vibração em relação ao placebo.

A falta de ácido fólico e ou vitamina B12 leva ao metabolismo prejudicado do aminoácido metionina e é frequentemente acompanhada por concentrações elevadas de homocisteína plasmática. Níveis elevados de homocisteína são considerados como um fator de risco independente para acidente vascular cerebral, ataque cardíaco, demência e degeneração macular. Em comparação com não diabéticos; os diabéticos são três a cinco vezes mais suscetíveis de sofrer um acidente vascular cerebral. Além disso, os pacientes com diabetes tipo 2, níveis elevados de homocisteína e deficiência de vitamina B12 possuem substancialmente maior risco de desenvolver lesões oculares diabéticas (retinopatia). Isto pode variar de deficiência visual à cegueira total. A falta de vitamina B12 também pode aumentar consideravelmente o risco de desenvolvimento de neuropatias diabéticas. Em pessoas idosas com níveis elevados de homocisteína a taxa de atrofia cerebral foi claramente retardada por ingestão regular de vitaminas B12, B6 e ácido fólico. Administração regular de vitamina B12 é frequentemente indicada para pacientes com diabetes usando a metformina, para evitar uma deficiência induzida por medicamentos. Em um estudo com diabéticos tipo 2, o tratamento com metformina levou a uma perda no desempenho cognitivo que melhorou novamente quando o tratamento foi acompanhado pela suplementação com vitamina B12 e cálcio.

Em doses elevadas (farmacológicos), a vitamina B3 tem um efeito preventivo sobre a manifestação ou a progressão da diabetes tipo 1, onde ainda há função residual adequada de células produtoras de insulina (células beta). A vitamina inibe a destruição e reforça a regeneração das células beta pancreáticas. Daí a disfunção das células-beta pode ser reduzida, a sensibilidade à insulina e a utilização da glicose melhorada. Além disso, a vitamina B3 parece reduzir a glicosilação de proteínas e da hemoglobina (HbA1c).



 Vitaminas C e E:


Distúrbios metabólicos que ocorrem no diabetes, tais como níveis cronicamente elevados de glicose no sangue (hiperglicemia), um distúrbio do metabolismo lipídico (ácido graxo aumentados, concentrações de triglicérides e colesterol LDL) e resistência à insulina, causam aumento da produção de espécies reativas de oxigênio (ROS), que são o gatilho para alterações estruturais e funcionais para o revestimento dos vasos sanguíneos através da ativação de cascatas de sinalização intracelular, e, consequentemente, conduzindo ao desenvolvimento de lesões ateroscleróticas. O estresse oxidativo em desenvolvimento está inevitavelmente ligado à reduzida disponibilidade de monóxido de nitrogênio e sua ação vasodilatadora, prejudicando o funcionamento do revestimento dos vasos sanguíneos, o endotélio. Paralelamente a estes processos nos revestimentos dos vasos, as plaquetas (trombócitos) são ativadas no interior ou sobre a superfície dos vasos. Estes encorajam a formação de coágulos sanguíneos e aumentar o risco de trombose ou até mesmo um ataque cardíaco ou acidente vascular cerebral. O stress oxidativo, tal como indicado pelos níveis elevados de produtos que danificam as células da peroxidação lipídica, e uma taxa elevada da glicosilação das proteínas desempenham um papel central no aparecimento de micro e macropatias diabéticas.
Em diabéticos, aumento do estresse oxidativo pode ser demonstrada diretamente após o consumo de uma refeição. As concentrações no plasma das vitaminas antioxidantes C e E, e a relação intracelular de ácido ascórbico para sua forma oxidada (ácido dehidroascórbico) são significativamente mais baixos em diabéticos do que os não-diabéticos. Em comparação com as pessoas que têm um metabolismo saudável, os níveis de vitamina C no plasma e células de diabéticos pode ser 30% menor em alguns casos.


A absorção celular de vitamina C é melhorada pela insulina e bloqueada por níveis altos de glicose no sangue. O aumento da concentração de vitamina C leva a uma diminuição na proporção de hemoglobina glicosilada (HbA1c). O aumento dos níveis no plasma de vitamina C por 20 micromoles por litro (0,35 mg / dL) reduziu o risco de hiperglicemia em quase um terço. A capacidade antioxidante de um diabético pode ser significativamente melhorada por administração direcionada de vitamina C, o que reduz a glicosilação de proteínas por deslocamento competitivo de glicose a partir dos grupos amino de proteínas. Deste modo, a vitamina impede dano endotelial induzida por produtos de reação glicosilada e melhora a função endotelial. A vitamina C também reduz a aldose-redutase e, portanto, reduz a acumulação intracelular de sorbitol, que é um álcool de açúcar (ou poliol), o que pode exacerbar os danos aos nervos, olhos e rins. Em um estudo randomizado com diabéticos tipo 2, a administração adjuvante de 2 x 500 mg de vitamina C por dia por um período de quatro meses levou a uma diminuição significativa na resistência à insulina, os valores de HbA1C e níveis plasmáticos de colesterol total, LDL colesterol e triglicérides, em comparação com placebo. Além disso, a administração adicional de vitamina C parece aumentar a atividade de regulação metabólica da metformina medicamento antidiabético e pode ter um efeito positivo sobre a depressão e complicações como a periodontite em diabéticos.

Como um antioxidante muito eficaz, a vitamina E protege enzimas e hormônios, bem como os ácidos graxos poli-insaturados das membranas biológicas, e o colesterol LDL contra a oxidação por radicais livres de oxigénio. Durante este processo, a vitamina E é oxidada e deve ser regenerada pela vitamina C ou pelos flavonóides. Deste modo, a vitamina combate a degradação oxidativa de ácidos graxos (peroxidação dos lípidos) e, em particular, as modificações oxidativas do LDL, que contribuem para a incidência de aterosclerose. Além disso, a vitamina E reduz a agregação dos trombócitos e, por conseguinte, o risco de tromboses, e reduz a extensão da glicosilação da proteína (HbA1C). Ainda, por inibição de enzimas, a vitamina E retarda processos inflamatórios e a proliferação de tecido conjuntivo nos vasos sanguíneos e, por conseguinte, reduz a ameaça ou avanço de complicações diabéticas.



 Vitamina D:


Estudos recentes indicam que uma oferta insuficiente de vitamina D pode estar envolvida no aparecimento de inúmeras doenças crônicas como diabetes mellitus tipos 1 e 2. Os dados do estudo indicam que a falta de vitamina D representa um fator de risco para diabetes tipo 2 e para a síndrome metabólica, uma vez que aumenta a resistência à insulina e reduz a secreção de insulina das células beta pancreáticas. Níveis sanguíneos mais elevados de vitamina D podem estar associados a níveis menores de glicose no sangue. Neste contexto, a redução de citocinas pró-inflamatórias como o fator alfa de necrose tumoral, uma substância de sinalização, no sistema imunológico parece desempenhar um papel importante. Num estudo aleatório controlado com mulheres resistentes à insulina com uma concentração média de sangue de vitamina D inferior a 10 ng/ml, a administração diária de 4000 UI durante seis meses, conduziu a uma melhora significativa na sensibilidade à insulina e uma redução na resistência à insulina. A resistência à insulina foi otimizada com valores de vitamina D, de cerca de 32 para 48 ng/mL (80 a 120 nmol/L). Parece, assim, que os doentes com uma distinta deficiência de vitamina D, se beneficiam de maneira especial com a suplementação desta vitamina.

A ingestão suficiente de vitamina D também parece ter uma influência positiva sobre o risco de mortalidade para pacientes com diabetes tipo 2 e síndrome metabólica: Em um estudo de pacientes com síndrome metabólica, um nível de vitamina D superior a 30 nanogramas por mililitro foi associado com uma redução de 75% na mortalidade total e uma redução de 66% na mortalidade por doenças cardiovasculares (por exemplo, insuficiência cardíaca), em comparação com pacientes com grave deficiência de vitamina D (abaixo de 10 ng/mL). A suplementação de vitamina D parece levar a uma melhora no metabolismo lipídico em pessoas com diabetes tipo 2, especialmente em combinação com exercício físico.
A pesquisa experimental produziu evidência de que a vitamina D pode ajudar a prevenir a destruição das células beta do pâncreas produtoras de insulina e, consequentemente, combater o aparecimento de diabetes do tipo 1. Supõe-se que isto é devido em primeiro lugar à ação de imunomodulação da vitamina através de células T auxiliares e pela redução de citocinas pró-inflamatórias.




 Ácidos Graxos Ômega-3:


Além de hipertensão, níveis elevados de triglicérides (hipertrigliceridemia), que são considerados como um indicador para a resistência à insulina; são o fator de risco mais importante para infarto do miocárdio. Em alguns estudos, os níveis sanguíneos elevados de ácidos graxos ômega-3 demonstraram estar associado com o aumento da sensibilidade à insulina e a redução da resistência à insulina. Os ácidos graxos poliinsaturados ômega-3 parece possuir propriedades antitrombóticas, protetoras do endotélio e hipolipemiantes. Pessoas que sofrem de diabetes podem, portanto, se beneficiar especialmente com a suplementação de ômega-3 para a prevenção de micro e macroangiopatia diabética.
Além disso, um consumo suplementar de ômega-3 parece melhorar a composição dos ácidos graxos essenciais na bainha de mielina e na membrana celular de células nervosas e, por conseguinte, combater o aparecimento da neuropatia diabética. Uma meta-análise mostrou que a ingestão suplementar do ômega-3; ácido docosa-hexaenóico (DHA) e ácido eicosapentanóico (EPA) pode aumentar significativamente a concentração de adiponectina no sangue. A adiponectina é um importante hormônio que controla os processos metabólicos como a regulação da glicose no sangue e na diminuição de processos inflamatórios no corpo.


 Coenzima Q10.


O metabolismo aeróbico de energia depende de um fornecimento adequado de coenzima Q10. Os níveis sanguíneos de coenzima Q10 são frequentemente mais baixo do que o normal em diabéticos tipo 2. Por exemplo, pacientes diabéticos com doença do miocárdio (cardiomiopatia), podem ter níveis baixos no soro. Em pacientes com retinopatia diabética a proporção de coenzima Q10 reduzida para oxidada é substancialmente menor; um sinal de aumento do stress oxidativo. As concentrações de Coenzima Q10 no pâncreas caem com o aumento da idade. Em estudos, a administração de coenzima Q10 para pacientes com diabetes têm otimizado o balanço energético do coração, aumento da proteção contra a oxidação das lipoproteínas, redução da peroxidação lipídica e melhora da função endotelial. Estudos clínicos também indicam que a coenzima Q10 pode diminuir a pressão arterial diastólica e sistólica em diabéticos tipo 2.


 Magnésio.


Uma concentração insuficiente de magnésio intracelular é considerada como uma das causas principais do aparecimento de resistência à insulina. O magnésio parece ser capaz de melhorar o controle glicémico através de uma influência positiva sobre a atividade do receptor de insulina. Nos diabéticos, o status de magnésio é muitas vezes insatisfatório devido à maior eliminação renal. Este, por sua vez, leva a uma má utilização da glicose, aumento a resistência à insulina, maiores níveis de glicose no sangue e de HbA1C e progressão das complicações diabéticas. Além disso, o tratamento com medicamentos antidiabéticos frequentemente utilizado (por exemplo, metformina), e os diuréticos podem diminuir as concentrações de magnésio no sangue.
Quando os níveis de magnésio estão baixos, um aumento na concentração de proteína C reativa (CRP), um fator de risco importante para as complicações vasculares como a trombose e ataque cardíaco, pode ser observada.


Um estudo epidemiológico extenso mostrou que o risco para ambos; diabetes mellitus tipo 2 e para a síndrome metabólica como um precursor diabetes aumenta à medida que a ingestão de magnésio cai. De acordo com uma meta-análise o risco de diabetes foi reduzida em 15% por 100 mg de ingestão adicional de magnésio. A mais recente meta-análise relatou um risco aproximadamente 60% menor de diabetes em participantes do estudo com maior ingestão de magnésio na dieta e através de suplementos; comparativamente aos indivíduos com a menor ingestão. De acordo com um novo estudo, o efeito preventivo de uma adequada ingestão de magnésio para a diabetes tipo 2 parece variar de acordo com as variações genéticas e origem étnica. Magnésio (Mg 2+) é absorvido via canais iônicos que são codificadas por genes para os quais são conhecidos os diferentes polimorfismos de nucleotídeo único.


Essas variantes de genes relacionadas aos canais iônicos podem influenciar significativamente o estado de magnésio do corpo e o metabolismo da glicose, e estão associados com o risco de desenvolver diabetes tipo 2. Uma ingestão suficiente de magnésio poderia parcialmente compensar a deficiência de magnésio causada por essas mutações genéticas.
Baixos níveis de magnésio são frequentemente observados em diabéticos com retinopatia diabética, bem como em doentes com polineuropatia diabética; em estudos, a ingestão suplementar de magnésio demonstrou uma melhoria significativa. A suplementação com magnésio foi também eficaz em pacientes diabéticos com níveis inadequados de magnésio e com recente diagnóstico de depressão: os sintomas de depressão melhoraram da mesma forma como com o tratamento feito a base de antidepressivos.



 Minerais Traço:


O zinco é um elemento importante na estrutura da insulina; tem um efeito estabilizador e protege contra danos oxidativos. A deficiência de zinco pode levar a uma diminuição da síntese de receptores de insulina e a um declínio da tolerância à glicose e da sensibilidade à insulina. Além disso, uma ingestão insuficiente de zinco poderia promover a incidência de alterações vasculares ateroscleróticas e suas consequências para os diabéticos (por exemplo, doença coronária). Como regra geral, os níveis de zinco são menores em diabéticos Tipo 1 e 2, em relação aos não diabéticos. A eliminação de zinco é aumentada de duas a três vezes e a absorção de zinco é diminuída. Além disso, a medicação administrada para reduzir a pressão arterial (inibidores da ECA) pode aumentar a perda de zinco renal em diabéticos. Uma vez que uma enzima chave no metabolismo do ácido fólico é dependente de zinco, deficiência de zinco também pode piorar os níveis de ácido fólico. Uma meta-análise de vários estudos mostrou que uma ingestão suplementar de zinco pode levar a diminuição significativa de valores de glicose em jejum e uma ligeira redução nas concentrações de hemoglobina glicosilada (HbA1c).

O Cromo apoia a atividade da insulina e sensibiliza as células beta pancreáticas; promovendo a expressão da insulina. A deficiência de cromo pode levar a tolerância à glicose reduzida e a utilização de glicose desordenada. Estudos mostraram que a suplementação com cromo pode trazer uma melhora na glicose e no metabolismo lipídico, em particular nos que sofrem de diabetes com ingestão insuficiente de cromo. Uma meta-análise de numerosos estudos clínicos feitos com diabéticos tipo 2 revelou que a administração suplementar de cromo melhorou os valores de HbA1c e glicose no sangue em jejum, assim como estado metabólico lipídico.


 Vanádio:

Mais recentemente, verificou-se que vários complexos de vanádio na administração oral são eficazes para tratar os animais diabéticos.
Em ensaios clínicos, tem sido proposto que a sensibilidade hepática e periférica a insulina em pacientes com IDDM e NIDDM foram melhoradas, dando compostos de vanádio simples, tais como sulfato de vanádio (VOSO4) e vanadato de sódio (NaVO3), cerca de um século atrás, na França e, agora, em 1995-1996. Estes resultados indicam fortemente a necessidade de investigações para estabelecer a segurança em longo prazo de compostos de vanádio eficazes para tratar a DM. Aqui, nós relatamos nossos resultados recentes sobre o estudo do desenvolvimento de complexos de ativos por via oral e a atuação do vanádio em longo prazo.


Quando ratos STZ-VOSO4 (ratos tratados com sulfato de vanádio) foram administrados por injeção diária única intraperitoneal (ip), a hiperglicemia foi normalizada dentro de 2 ou 3 dias. Enquanto a administração diária foi continuada, a normoglicemia foi mantida. Embora tanto a glicose sérica e os níveis de FFA foram melhorados e normalizados, o nível de insulina não melhorou, indicando que a ação de VOSO4 não é periférica. De fato, os níveis semelhantes de vanádio em STZ-ratos normais e ratos STZ-tratados com vanádio foram encontrados em quase todos os órgãos examinados, como determinado por análise de ativação de nêutrons (NAA), que é o método mais confiável na determinação de vanádio em organismos vivos. Os resultados dos testes de tolerância à glicose concluíram que a IDDM é de fato tratada com a administração de VOSO4 (Sulfato de Vanádio). VOSO4 oralmente administrada também demonstrou ser eficaz. Com base nestes resultados, ativos por via oral e uso por longo prazo, os complexos de vanádio estão sendo desenvolvidos.




Nota do Nutricionista:

Venho ressaltando a importância dos micronutrientes em vários artigos no Blog.
Agora podemos confirmar seus benefícios específicos no tratamento e prevenção do diabetes tipo 1 e 2.
É sempre bom lembrar que o solo está muito pobre em micronutrientes e a alimentação não consegue suprir nossas necessidades, por isso, o ideal seria sempre suplementar com um bom multivitamínico/mineral.




Referências:


- Thornalley P. J. et al. High prevalence of low plasma thiamine concentration in diabetes linked to a marker of vascular disease. Diabetologia. 2007; 50:2164–2170.

- Rabbani N. and Thornalley P. J. Emerging role of thiamine therapy for prevention and treatment of early-stage diabetic nephropathy. Diabetes Obes Metab. 2011; 13:577–683.

- Stracke H. et al. Benfotiamine in diabetic polyneuropathy (BENDIP): results of a randomised, double blind, placebo-controlled clinical study. Exp Clin Endocrinol Diabetes. 2008; 116:600–605.

- Satyanarayana A. et al. Status of B-vitamins and homocysteine in diabetic retinopathy: association with vitamin B12 deficiency and hyperhomocysteinemia. PLoS One. 2011; 6:e26747.

- Gröber U. et al. Neuroenhancement with vitamin B12: Underestimated neurological significance. Nutrients. 2013; 5:5031–5045.

- Visalli N. et al. A multi-centre randomized trial of two different doses of nicotinamide in patients with recent-onset type 1 diabetes (the IMDIAB VI). Diabetes Metab. Res. Rev. 1999; 15(3):181–185.

- Maxwell S. R., et al. Antioxidant status in patients with uncomplicated insulin-dependent and non-insulin-dependent diabetes mellitus. Eur. J. Clin. Invest. 1997; 27(6):484–490.

- Sargeant L. A. et al. Vitamin C and hyperglycemia in the European Prospective Investigation into Cancer - Norfolk (EPIC-Norfolk) study: a population-based study. Diabetes Care. 2000; 23(6):726–732.

- Paolisso G. et al. Metabolic benefits deriving from chronic vitamin C supplementation in aged non-insulin dependent diabetics. J. Am. Coll. Nutr. 1995; 14(4):387–392.

- Dakhale G. N. et al. Supplementation of vitamin C reduces blood glucose and improves glycosylated hemoglobin in type 2 diabetes mellitus: a randomized, double-blind study. Adv Pharmacol Sci. 2011; 2011:195271.

- Dakhale G. N. et al. Supplementation of vitamin C reduces blood glucose and improves glycosylated hemoglobin in type 2 diabetes mellitus: a randomized, double-blind study. Adv Pharmacol Sci. 2011; 2011:195271.

- Montero D. et al. Effect of antioxidant vitamin supplementation on endothelial function in type 2 diabetes mellitus: a systematic review and meta-analysis of randomized controlled trials. Obes Rev. 2014; 15(2):107–116.

- Zittermann A. et al. Vitamin D deficiency and mortality risk in the general population: a meta-analysis of prospective cohort studies. Am J Clin Nutr. 2012; 95:91–100.
- Thomas G. N. et al. Vitamin D levels predict all-cause and cardiovascular disease mortality in subjects with the metabolic syndrome: the Ludwigshafen Risk and Cardiovascular Health (LURIC) Study. Diabetes Care. 2012; 35:1158–1164.

- Kim H. J. et al. Effects of vitamin D supplementation and circuit training on indices of obesity and insulin resistance in T2D and vitamin D deficient elderly women. Journal of exercise nutrition & biochemistry. 2014; 18(3):249–257.

- Zipitis C. S. and Akobeng A. K. Vitamin D supplementation in early childhood and risk of type 1 diabetes: a systematic review and meta-analysis. Arch Dis Child. 2008; 93:512–517.

- Juarez-Lopez C. et al. Omega-3 polyunsaturated fatty acids reduce insulin resistance and triglycerides in obese children and adolescents. Pediatric diabetes. 2013; 14(5):377–383.

- Swanson D. et al. Omega-3 fatty acids EPA and DHA: health benefits throughout life. Adv Nutr. 2012; 3(1):1–7.

- Hamilton S. J. et al. Coenzyme Q10 improves endothelial dysfunction in statin-treated type 2 diabetic patients. Diabetes Care. 2009; 32:810–812.

- Mezawa M. et al. The reduced form of coenzyme Q10 improves glycemic control in patients with type 2 diabetes: an open label pilot study. Biofactors. 2012; 38:416–421.

- Peters K. E. et al. The relationship between hypomagnesemia, metformin therapy and cardiovascular disease complicating type 2 diabetes: the Fremantle Diabetes Study. PLoS One. 2013; 8:e74355.

- Larsson S. C. and Wolk A. Magnesium intake and risk of type 2 diabetes: a meta-analysis. J Intern Med. 2007; 262:208–214.

- Chausmer A. B. Zinc, insulin and diabetes. J Am Coll Nutr. 1998; 17:109–115.

- Capdor J. et al. Zinc and glycemic control: a meta-analysis of randomised placebo-controlled supplementation trials in humans. J Trace Elem Med Biol. 2013; 27:137–142.

- Cefalu W. T. et al. Characterization of the metabolic and physiologic response to chromium supplementation in subjects with type 2 diabetes mellitus. Metabolism. 2010; 59:755–762.

- Goldfine AB, Simonson DC, Folli F, Patti ME, Kahn CR. Metabolic effects of sodium metavanadate in human with insulin-dependent and noninsulin-dependent diabetes mellitus in vivo and in vitro studies. J Clin Endocrinol Metab 1995;80:3311.

- http://www.nutri-facts.org/









Nenhum comentário:

Postar um comentário