terça-feira, 17 de maio de 2016

A Vacinação e a Evolução Destrutiva dos Vírus.


A Vacinação é a Força Motriz atrás da Evolução Destrutiva dos Vírus e os Laboratórios Farmacêuticos sabem disso.


Artigo editado por Dave Mihalovic, (Naturopathic Doctor).

Traduzido pelo Nutricionista Reinaldo José Ferreira CRN3 – 6141
reinaldonutri@gmail.com
www.suplementacaoesaude.blogspot.com.br



O argumento mais comum usado por funcionários da saúde pública e da comunidade médica para justificar "sem exceções" sobre as leis de vacinação obrigatória é que as pessoas não vacinadas representam uma ameaça grave para a saúde a outras pessoas que "não podem ser vacinadas," como os imunocomprometidos. Para eles, as crianças não vacinadas representam um grande perigo e até ameaça a saúde das crianças completamente vacinadas. Estas declarações são mais opiniões do que qualquer outra coisa, uma vez que são completamente infundadas e sem base de uma perspectiva científica. Na realidade, a vacinação é a força motriz por trás da propagação da doença, da evolução e mutação dos vírus.



 Pode uma Criança não Vacinada ou Imunologicamente Comprometida, ficar doente ao entrar em contato com uma pessoa recentemente vacinada?



Absolutamente, especialmente quando se trata de vacinas de vírus vivos atenuados. Ao contrário do que os médicos dizem de seus pacientes, durante uma infecção viral, o vírus vivo é espalhado nos fluidos do corpo daqueles que estão infectados por diferentes intervalos de tempo e pode ser transmitido para os outros. A cadeia de vírus vivos das vacinas também se espalha por quantidades variáveis de tempo nos fluidos corporais de pessoas vacinadas e pode ser transmitida para outras pessoas.
Embora as autoridades de saúde pública afirmem que as vacinas de vírus vivos atenuados raramente causam complicações na pessoa vacinada e que a propagação da cadeia viral da vacina raramente provoca doença em contatos próximos da pessoa recentemente vacinada, é importante estar ciente de que a infecção pela cadeia de vírus vivos da vacina, às vezes pode causar sérias complicações em pessoas vacinadas e a cadeia de vírus vivos da vacina pode ser espalhada e transmitida para outras pessoas com consequências graves ou até mesmo fatais.



 As Vacinas causam Mutações Virais e Bacterianas:


As evidências continuam se acumulando na comunidade científica que agora admite que certas vacinas estão de fato causando mutações tanto virais quanto bacterianas. Ironicamente, os mesmos pesquisadores afirmam que "melhores" vacinas são necessárias para compensar o aumento das persistentes mutações.

Um virologista observou que replicar os vírus mutantes são a "principal fonte mundial de inovação genética:"

"A enorme população de vírus, combinada com suas rápidas taxas de replicação e mutação, torna-se a principal fonte mundial de inovação genética: eles constantemente" inventam "novos genes e genes únicos de origem viral podem viajar, encontrando seu caminho em outros organismos e contribuindo para as mudanças evolutivas."

Patógenos potencialmente fatais são capazes de evoluir rapidamente e desenvolver chamarizes genéticos que servem para disfarçá-los, mesmo das drogas mais potentes.
O pesquisador Rory Bowden da Universidade de Oxford relatou que os agentes patogênicos alternam material genético com outras bactérias, mas predominantemente a parte do genoma responsável por formar o revestimento das células, que é a área alvo das vacinas.

Discutindo a coevolução do vírus com os seres humanos e outros organismos vivos, outro virologista escreveu em 2012 que durante as epidemias os vírus evoluem. Cofatores genéticos e ambientais fazem alguns indivíduos com maior ou menor probabilidade de morrer de ou sobreviver à infecção, produzindo um aumento do número de indivíduos resistentes na população:

"O Vírus pode tornar-se particularmente perigoso quando eles evoluem para adquirir a possibilidade de infectar novas espécies de animais. Os sistemas de defesa do novo hospedeiro podem ser geralmente incapazes de atacar o novo agente patogênico e muitas pessoas irão morrer. Em qualquer epidemia, há também os indivíduos que mostram pouca sensibilidade ou resistência completa ao patógeno em particular. O aumento da sensibilidade e resistência à infecção são especificados pela composição genética do indivíduo e vários fatores ambientais. Assim, as epidemias de massa não só produzem novas variantes do vírus, mas também alteram a estrutura da população de acolhimento: indivíduos altamente sensíveis morrem, enquanto que a porção de indivíduos resistentes na população aumenta. Por conseguinte, a coevolução do vírus e do hospedeiro é um processo mutuamente dependente."
O ex-pesquisador e pós-doutorado do Center for Infectious Disease Dynamics, Grainne Long descobriu que a vacinação levou a um aumento de 40 vezes da colonização de B. parapertussis nos pulmões. Seus dados sugerem que a vacina pode estar contribuindo para o aumento observado na incidência de coqueluche na última década, promovendo a infecção por B. parapertussis (Bordetella parapertussis), responsável pela coqueluche.




 Gripe Aviária – Um Excelente exemplo de Infecção Viral Assintomática:


A gripe aviária é alvoroço em todo o Meio-Oeste dos Estados Unidos. Até agora, 13 milhões de frangos e perus foram abatidos ou destinados à destruição para parar a propagação do H5N2, uma prole da gripe das aves H5N1 da Ásia.
Pesquisadores do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos estão começando testes, e o chefe do Departamento de Agricultura dos EUA, o veterinário John Clifford disse que os fabricantes de vacinas estão sendo contatados.
Mas as aves vacinadas espalham o vírus sem ficar doente, tornando a sua propagação invisível. A vacinação tem impulsionado, além disso, a evolução da H5N1 sabendo-se que estes vírus se adaptam às aves vacinadas.
No final de 2009, virologistas e autoridades da gripe foram se tornando cada vez mais preocupados que o vírus da gripe A-H1N1 poderia "recombinar" com a gripe aviária H5N1 altamente virulento que ainda é prevalente em partes do mundo como a China, e que uma mutação poderia ocorrer, resultando em uma nova estirpe, que tem a letalidade do H5N1 e a transmissibilidade humana da a-H1N1.
O vírus H5N1 nunca adquiriu a capacidade de ser transmitido entre seres humanos, razão pela qual não tivemos uma pandemia. A preocupação é que o vírus H1N1 possa se transformar em um vírus altamente patogênico como o H5N1,"diz Kawaoka, professor de ciências pato-biológica na UW-Madison Escola de Medicina Veterinária.


Dois vírus que infectam uma única célula hospedeira podem trocar o material genético, ou recombinar, criando estirpes híbridas com as características de cada um dos vírus.
Três vacinas usadas para prevenir a doença respiratória em galinhas têm trocado seus genes, produzindo duas novas cepas letais que mataram dezenas de milhares de aves em dois estados na Austrália.
A criação da nova variante mortal só foi possível porque as vacinas continha vírus vivos, apesar de serem formas enfraquecidas, disse Joanne Devlin, autora principal do artigo publicado na revista Science.



 Coqueluche:


Uma vacina acelular contra a tosse convulsa (Coqueluche), realmente aumenta a colonização de Bordetella parapertussis em ratos; apontando para um aumento na incidência de B. parapertussis resultante da vacinação acelular, o que pode ter contribuído para o aumento observado na coqueluche durante a última década.
Apesar da vacinação generalizada, a incidência de tosse convulsa está aumentando em todo o mundo, tornando-se uma doença praticamente imune às vacinas.
Novas estirpes perigosas de bactérias da tosse convulsa estão agora escapando das vacinas usadas na Austrália contra a doença, e consolidando uma epidemia de quatro anos que poderia logo se espalhar para outros países, os cientistas de Sydney descobriram isso em pesquisa e levantam questões sobre o programa nacional de vacinas.
Microbiologistas da Universidade de NSW descobriram variantes da bactéria pertussis com uma assinatura genética particular, têm aumentado para 86 por cento de todas as amostras tiradas de pessoas infectadas, continuando após uma epidemia de doença que começou em 2008.
Embora as estirpes estivessem presentes na Austrália já em 2000, eles representavam apenas 31 por cento de todas as amostras coletadas entre 2000 e 2007, sugerindo que eles aumentaram juntamente com a vacina atual.
Uma vacina acelular, introduzida na Austrália, em 1997, depois de preocupações sobre efeitos colaterais em relação à versão anterior com células inteiras; parecia ter promovido a disseminação dessas variantes, o Dr. Lan disse, que as autoridades no exterior haviam ligado a "maior virulência com base em dados de hospitalização e mortalidade".


Ele alertou que outros países que utilizam vacinas semelhantes devem estar alerta para mudanças nas características genéticas detectadas no bug da coqueluche.
Em 2012, a tosse convulsa, ou pertussis, espalhados por todo os EUA a taxas de pelo menos duas vezes maiores que as registradas em 2011 e epidemiologistas e funcionários da saúde acabaram mesmo admitindo que a vacina poderia ser a causa.
Em março de 2012, perigosas novas estirpes de bactérias de tosse convulsa foram relatadas na Austrália. Pesquisadores que estudam as cepas disseram que a vacina em si foi responsável. A razão para isto é porque, enquanto tosse convulsa é atribuída principalmente à infecção por Bordetella pertussis, é também causada por outro patógeno estreitamente relacionado chamado B. parapertussis, que a vacina não protege contra. Dois anos antes, os cientistas da Penn State já haviam relatado que a vacina pertussis aumentou significativamente a colonização de B. parapertussis; promovendo assim os surtos de coqueluche resistentes a vacina.


De acordo com os autores:
"A Vacinação levou a um aumento de 40 vezes na colonização de B. parapertussis nos pulmões de ratos. Embora o mecanismo subjacente a este aumento da colonização não esteja elucidado especificamente, especula-se que envolvem respostas imunes específicas ocasionadas pela vacina acelular, incluindo citocinas e produção de anticorpos durante a infecção. Apesar dessa vacina ser extremamente eficaz contra B. pertussis, já foi a assassina principal da infância, estes dados sugerem que a vacina pode estar contribuindo para o aumento observado na incidência de coqueluche na última década por promover a infecção por B. parapertussis. "
A tosse convulsa é uma doença cíclica com aumentos naturais que tendem a ocorrer a cada 4-5 anos, não importa o quão alta a taxa de vacinação é em uma população com vacinas DTP ou dTpa de forma generalizada. As vacinas DTP de células inteiras utilizadas nos EUA na década de 1950 até o final de 1990 foram estimadas em 63 a 94 por cento eficaz e estudos mostraram que a imunidade adquirida na vacina caiu para cerca de 40 por cento depois de sete anos.
No estudo citado acima, os pesquisadores observaram a eficácia da vacina foi de apenas 41 por cento entre as crianças de 2 a 7 anos e um lúgubre 24 por cento entre os 8 e 12 anos idade.



 Varíola:


A Varíola, por exemplo, é transmitida através de fluidos corporais. E, quando você receber uma vacina contra a varíola com vírus vivo atenuado, que contém o vírus vaccinia vivo atenuado, você pode desenvolver o vírus vaccinia (VACV ou VV) sendo uma cepa de infecção , que você pode então transmitir aos outros. O mesmo é verdadeiro para a poliomielite e a vacina oral viva contra a poliomielite (OPV).
"Nos dias que antecederam a vacina contra a pólio neste país; muitas pessoas tiveram infecção por poliovírus. A maioria não apresentou qualquer sintoma ou apenas sintomas leves. Seus corpos lidaram com isso e todos eram imunes. Durante o tempo em que tinha uma infecção, se elas eram sintomáticas ou assintomáticas, eles poderiam transmití-la.
Um pequeno número de pessoas passou a ter complicações de infecções com poliovírus; eles se tornaram paralisados ou morreram. Mas a maioria das pessoas que tiveram a poliomielite, passaram pela doença, tornaram-se imunes e não sofreram nenhuma lesão.
A vacina viva contra a pólio, a vacina Sabin, que se seguiu a vacina Salk inativada, foi administrada por via oral e contém poliovírus vivos atenuados.


Esses poliovírus, quando você tomar essa vacina viva (vírus vivos), você distribui em seus fluidos corporais, sua saliva, urina e fezes. A Vacina contra a cadeia de vírus como os vírus das doenças ou infecções podem ser encontrados às vezes também em lágrimas e vômito. Isso também é verdade para o vírus Ebola.
Se você tem a infecção viral ou você recebe a vacina viva atenuada, você espalha o vírus vivo em seus fluidos corporais e estes são capazes de transmitir o vírus a outras pessoas que entram em contato com seus fluidos corporais. Eu acho que isso é uma coisa muito importante para as pessoas entenderem, disse Barbara Loe-Fisher, co-fundadora e presidente do Centro de Informações de Nacional de vacinas - National Vaccine Information Center (NVIC).




 Vírus da Hepatite B:


No sul da Itália, 44 contatos de portadores do vírus da hepatite B, incluindo bebês de mães portadoras, tornou-se HBsAg positivo, apesar de imunização passiva e ativa de acordo com protocolos padrão. Em 32 destes vacinados a infecção foi confirmada pela presença dos marcadores adicionais da replicação viral.
A circulação de mutações do HBV por agentes antivirais requer uma investigação mais aprofundada para determinar se eles podem ser transmitidos e, portanto, representar um problema de saúde pública. Este problema pode ser de especial relevância em populações onde o genótipo A é predominante.
Cepas de HBV contendo os padrões de mutação de fuga da vacina, são replicação competente e demonstram ser infecciosos e patogênicos.


 Sarampo:


O fenômeno de infecção do sarampo se espalhou por MMR (vacina viva contra o sarampo, caxumba e rubéola) tem sido conhecida há décadas. Na verdade, há 20 anos, os cientistas que trabalham no Centro Nacional de Doenças Infecciosas, financiado pela OMS e do Programa Nacional de Vacinas do CDC, descobriram algo realmente perturbador sobre a vacina MMR: ela leva a infecção por sarampo detectável na grande maioria dos que a recebem.
Publicado em 1995 no Jornal de Microbiologia Clínica e intitulado "Detecção do vírus RNA do sarampo em amostras de urina dos indivíduos vacinados", os pesquisadores analisaram amostras de urina de crianças recém vacinadas de 15 meses de idade e adultos jovens e relataram seus resultados esclarecedoras como se segue:
O vírus RNA do sarampo foi detectada em 10 de 12 crianças durante o período de amostragem de 2 semanas.
Em alguns casos, o vírus RNA do sarampo foi detectado tão cedo como 1 dia ou tão tarde como 14 dias após as crianças serem vacinadas.
O vírus RNA do sarampo, também foi detectado nas amostras de urina de todos os quatro dos adultos jovens entre 1 e 13 dias após a vacinação.
O vírus do sarampo é um vírus RNA de filamento único envelopado, pertencente ao gênero Morbillivírus, membro da família Paramyxoviridae.



 Evidência Adicional de que os Vacinados não são Imunes, e Disseminam as Doenças:


O Centro de Informação Nacional de Vacinas publicou um documento de relevante importância para este tópico intitulado "Os riscos emergentes dos Vírus Vivos & Vacinas a Vírus Vivo Vetorial: Vacina e Infecção pela cepa do vírus, Mudança de Pele e Transmissão". Páginas 34-36 na seção sobre "O sarampo, caxumba, rubéola e vírus vivos atenuados do sarampo, caxumba, rubéola" discutir evidências de que a vacina MMR pode levar à infecção e transmissão do sarampo.
Casos em destaque incluem:


Em 2010, a Eurosurveillance (www.eurosurveillance.org/) publicou um relatório sobre a excreção da vacina contra a cepa do vírus do sarampo na urina e secreções da farínge de uma criança croata com doença exantemática (doença infecciosa sistêmica) associada à vacina. Com 14 meses de idade a criança saudável recebeu a vacina MMR e oito dias mais tarde desenvolveu rash macular e febre. O teste de laboratório de amostras de urina e garganta e entre duas e quatro semanas após a vacinação foram positivos para o vírus do sarampo da vacina. Os autores do relatório apontam que, quando as crianças experimentam uma febre e erupção cutânea após a vacinação MMR, somente testes moleculares de laboratório podem determinar se os sintomas são devido à infecção da cepa da vacina contra o vírus do sarampo. Eles afirmaram: "De acordo com as diretrizes da OMS para o sarampo e de eliminação da rubéola, a discriminação de rotina entre etiologias da doença exantemática febril é feito por detecção de vírus. No entanto, em um paciente recentemente MMR vacinado, apenas técnicas moleculares podem diferenciar entre o sarampo de tipo selvagem ou rubéola, ou doença associada à vacina. Este caso demonstra que a excreção do vírus Schwartz do sarampo ocorre em indivíduos vacinados."
Em 2012, Pediatric Child Health publicou um relatório descrevendo uma criança saudável com 15 meses de idade no Canadá, que desenvolveu irritabilidade, febre, tosse, conjuntivite e exantema no prazo de sete dias de uma dose de MMR. Os exames de sangue, urina e esfregaço da garganta foram positivos para a cepa da vacina e a infecção pelo vírus do sarampo foi 12 dias após a vacinação. Dirigindo-se o potencial de vacina do sarampo na transmissão da cepa do vírus aos outros, os autores afirmam, "Embora o vírus atenuado pode ser detectado em espécimes clínicos a seguir à imunização, entende-se que a administração da vacina MMR em indivíduos imunocompetentes não carregam o risco de transmissão secundária a hospedeiros susceptíveis.



Em 2013, a Eurosurveillance publicou um relatório da vacina da cepa do sarampo que ocorreu semanas após a vacinação MMR no Canadá. Os autores afirmaram: "Nós descrevemos um caso de sarampo e rubéola associada à vacina (MMR), que foi positivo em ambos os PCR e IgM, cinco semanas após a administração da vacina MMR." O caso envolveu uma criança de dois anos de idade, que desenvolveu coriza, febre, tosse, erupção cutânea macular e conjuntivite após a vacinação e testou positivo para a infecção pelo vírus da vacina do sarampo, em esfregaço da garganta e exames de sangue. As autoridades de saúde canadenses criação do relatório levantou a questão de saber se existem casos não identificados de infecções de sarampo pela vacina e a necessidade de saber mais sobre como as cepas da vacina do sarampo se espalham e a sua duração de tempo. Eles concluíram sobre o caso que relataram: "provavelmente representa uma existência adicional, mas não identificada, para o período de tempo típico para a disseminação do vírus da vacina contra o sarampo." Eles acrescentaram que "mais estudos são necessários sobre o limite superior que o vírus da vacina do sarampo se espalha baseado no aumento da sensibilidade das tecnologias de detecção baseados em RT-PCR e fatores imunológicos associados à vacina do sarampo e a disseminação do vírus."

O que está claro sobre a vacinação é que ela representa uma ameaça que a ciência não quer que o público conheça. A imposição de vacinação obrigatória (ou a sua ilusão) é talvez o maior erro na política de saúde pública que os governos estão atualmente nos impondo. À medida que mais pessoas tornam-se informadas e afastam-se das garras do medo, ansiedade e controle que acompanha a vacinação, a política de saúde pública do governo vai reforçar a sua posição através de agressões e ameaças.


Nota do Nutricionista:

Reflita sobre as palavras da Dra. Humphries:
“A Dra. Humphries afirma que a maioria dos médicos pensa que a Mãe Natureza é falha. O médico não sabe como cuidar de um sistema imune, porque o médico nunca foi ensinado na escola de medicina como cuidar de um sistema imunológico. Desta maneira você acaba com uma sociedade inteira, do início ao fim, a qual não sabe como um sistema imunológico funciona, não sabe como cuidar dele, não sabe como repor os nutrientes e minerais que são necessários, não sabe como ingerir uma dieta que irá auxiliá-lo, e então quando ele falhar, “a culpa é de Deus”. “Precisamos de uma vacina.”


Leia mais neste link: (inclusive vídeos)
http://www.noticiasnaturais.com/2015/01/medicos-contra-as-vacinas-o-outro-lado-da-historia-que-nao-esta-sendo-contado/#ixzz48wJUDxDr.



Fontes:

newscientist.com

ncbi.nlm.nih.gov

news.wisc.edu

greenmedinfo.com

cidd.psu.edu

smh.com.au

nvic.org


Um comentário:

  1. Suplementos é na FAN! Compre Whey Protein, Bcaa, Termogenico, Creatina, Proteínas, Whey Protein Isolado, Aminoacidos, Hipercalorico e Suplementos. Visite nosso site. SUPLEMENTOS SP

    ResponderExcluir